Venezuela trava batalhas com Estados Unidos e Colômbia para recuperar títulos da petroleira PDVSA e não perder sua ‘galinha dos ovos de ouro’

Flavia Marinho
por
-
23-08-2021 17:28:32
em Petróleo, Óleo e Gás
venezuela - estados unidos - colômbia - PDVSA Crise petroleira PDVSA Venezuela / Imagem Google e CPG

Mais de 1 bilhão de dólares em dívida emitida sob o Governo de Maduro põem em risco o lucrativo negócio de refino da companhia nos Estados Unidos e na Colômbia

O presidente venezuelano Nicolas Maduro pediu para se juntar à mesa de diálogo entre seu governo e a oposição no México e na Colômbia com o pedido de devolução do controle da Citgo e da empresa petroquímica Monomeros, todas subsidiárias da estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA). Atualmente as subsidiárias venezuelanas enfrentam ameaças de credores em diferentes frentes e a esperança é que seja encontrada uma forma de evitar que a empresa caia em mãos de terceiros.

Leia também

Nas negociações iniciadas no dia 13 de agosto com a oposição, o Governo da Venezuela reivindica o controle das empresas, que ficou na engrenagem criada pelo líder oposicionista Juan Guaidó, reconhecido na época como presidente interino por mais de 50 países e acusado por Maduro de se apropriar e desmantelar monômeros em cumplicidade com o governo de Iván Duque.

“Que seja feito um documento claro, direto e oficial de todos os produtores venezuelanos para que o Dr. Jorge Rodríguez (chefe da delegação) para a Venezuela tome como ponto fundamental na primeira sessão do diálogo no México a assinatura de um documento para que a empresa Monomeros retorne ao seu proprietário à Pdvsa, para o país como uma empresa que surta nossa nação com sua produção”, disse Maduro durante um discurso transmitido pelo canal de televisão estatal venezuelano”.

Maduro disse que é importante que o dinheiro da Venezuela bloqueado no exterior se torne o motor da economia nacional

O presidente indicou que o eventual retorno dos Monômeros poderia significar uma das primeiras medidas comuns do diálogo para a recuperação econômica dda Venezuela. Segundo o Governo, em 2018 os monômeros produziram 860 mil toneladas de fertilizantes, mas em 2019 só tinha 22% de sua capacidade operacional.

A Monomers é uma empresa de responsabilidade limitada para a produção de caprolactam (matéria-prima de nylon) e fertilizantes compostos.
Em 2006, os acionistas colombianos da empresa decidiram vender suas participações para a estatal venezuelana Petroquímica de Venezuela (Pequiven).

Já a Citgo, apesar das limitações sob as quais opera, a companhia divulgou no dia 16 último, um pequeno lucro no segundo trimestre do ano, o primeiro desde 2019, e continua sendo a oitava maior refinaria dos Estados Unidos, segundo a Reuters. A história recente da empresa é um drama jurídico paralelo à crise política que o país sul-americano vive desde 2014, quando entrou em recessão econômica.

Em dezembro de 2015, a oposição conquistou dois terços da Assembleia Legislativa e, alguns meses depois, em 2016, o Governo do presidente Nicolás Maduro decidiu emitir 1,4 bilhão de dólares (7,4 bilhões de reais) em títulos para refinanciar a dívida da PDVSA, sem a aprovação do Parlamento. O Governo ofereceu ações da Citgo como garantia e Wall Street reagiu com apetite comprando os papéis.

25 bilhões de dólares por 8 anos contínuos são necessários para recuperar PDVSA

O economista José Toro Hardy informou que a Venezuela tem menos de 20 anos para fazer investimentos e recuperar a indústria do petróleo porque ainda existem “enormes reservas de petróleo”. Ele garantiu que essas duas décadas do petróleo devem ser aproveitadas porque em 2040 começará um “deslocamento progressivo do petróleo por outros agentes menos poluentes”.

Ele revelou que para recuperar a Petróleos de Venezuela (PDVSA) são necessários 25 bilhões de dólares, por 8 anos contínuos, para recuperar os níveis de produção de 1999. Salientou que os números são tão grandes que impossibilitam investimentos no país. montantes exigidos e nas modalidades que o Governo Nacional desejar.

O ex-diretor da PDVSA lembrou que para que haja investimentos privados é preciso segurança e transparência. No caso da Venezuela, ele garantiu que nenhuma das condições existe. Ele denunciou que não se sabe quem está recebendo os contratos, as modalidades e as condições.

“Eles falam de um investimento privado, mas não explicam o que são, quem são ou como chegam e quais são as vantagens para o país. Tenho muito medo desses investimentos ”, disse Toro Hardy.

O especialista também se referiu às refinarias venezuelanas. Ele afirmou que estes estão destruídos por falta de manutenção, capacidade e investimento.

Petroleiras Total e Equinor “abandonam o barco” na Venezuela

Por sua vez, o ex-ministro do Petróleo, Rafael Ramírez, destacou que a saída dos sócios internacionais Total e Equinor se deve ao fato de não terem um sócio confiável porque não podem trabalhar com a PDVSA “em ruínas”.

“Não há capacidade, não há conhecimento, nem se segue um Plano, um plano que não existe, saem porque o Governo – através do Ministério do Petróleo – viola definitivamente os termos e condições estabelecidos na Joint Venture, saem porque o país É um desastre, ninguém confia nele. Não só os franceses e noruegueses partiram, mas também os russos. Ninguém está disposto a mergulhar em Maduro e em suas improvisações ”, destacou Ramírez.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe