Explosão de gasoduto na Venezuela pode ter sido alvo de ataque terrorista

Flavia Marinho
por
-
25-03-2021 11:55:59
em Petróleo, Óleo e Gás
venezuela - ataque terrorista - gasoduto - petróleo - gás natural - Explosão na PDVSA Venezuaela – Fonte: Reprodução Google

Suspeita de ataque terrorista em gasoduto na Venezuela: gasoduto que fornece gás natural para a planta da petroleira PDVSA explodiu no último sábado

Gasoduto que fornece gás natural para a planta de reinjeção de gás da petroleira PDVSA, pode ter sido alvo de ataque terrorista, no último sábado é o que suspeitam as autoridades policiais e executivos da PDVSA, a estatal do petróleo Venezuelano. Navio petroleiro iraniano carregado de gasolina, rumo à Venezuela, “fura” barreira americana no Mar do Caribe

Leia também

Parte de um gasoduto de 36 polegadas que fornece gás natural para a planta de reinjeção de gás Pigap II, da PDVSA, localizado no norte do estado de Monagas – Venezuela, explodiu na tarde do último sábado obrigando a estatal fechar temporariamente a planta para conter as chamas e avaliar os danos ao gasoduto.

O Tareck El Aissami, ministro do Petróleo da Venezuela, chamou o incidente de “ataque terrorista”. O comunicado ocorreu na televisão estatal e Aissami não entrou em detalhes sobre quem foi o responsável ou sobre o impacto na usina e no oleoduto.

O país vizinho possui grandes reservas de petróleo e gás natural, mas viu a produção cair para níveis baixos em décadas nos últimos anos em meio a um colapso econômico nacional que reduziu o fluxo de caixa da PDVSA e levou a um êxodo de pessoal qualificado

As autoridades da Venezuela culparam no passado, as explosões em oleodutos e refinarias, bem como blecautes e outras falhas de infraestrutura, em ataques com o objetivo de sabotar a economia do país. Os críticos dizem que os incidentes se devem à falta crônica de manutenção, de investimento e má administração.

“Aumentem a produção ou saiam do país” alerta Ministério do Petróleo da Venezuela a empresas petroleiras estrangeiras

A Venezuela, país com maiores reservas de petróleo do mundo, advertiu as licenças das petrolíferas estrangeiras Chevron e a Repsol, para ajudar a aumentar a produção, no intuito de não pararem de explorar no país. A Petróleos da Venezuela e o Ministério do Petróleo de Caracas enviaram uma carta no mês passado a todos os 19 parceiros da joint venture cujos contratos acabarão em 2026, para saber quais as intenções de exploração.

Segundo a carta, todas as empresas petrolíferas tinham até dia 15 de janeiro para responder e as companhias ainda podiam solicitar uma renovação de contrato com o país.

A Venezuela buscará novos parceiros se os presentes não se manifestarem e ajudarem a reativar a indústria petrolífera em colapso, após anos de má gestão e sanções dos Estados Unidos.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.