Petróleo evapora sob forte pressão dos vendedores atingindo US$ 66 o barril e pressiona Petrobras na baixa da gasolina, que sofreu mais um aumento no último dia 12 de agosto

Flavia Marinho
por
-
20-08-2021 09:04:16
em Petróleo, Óleo e Gás
gasolina - petróleo - etanol - preço - dólar - petrobras Preço do barril do petróleo evapora / Imagem Google

Petrobras é pressionada a abaixar o preço da gasolina com a queda no valor do petróleo e etanol ganha força com paridade acima de 70% com o combustível concorrente

O preço do petróleo evapora para menos de US$ 66 o barril nesta quinta-feira, seu nível mais baixo desde maio, pressionado por preocupações sobre a demanda mais fraca com o aumento das caixas COVID-19, um dólar americano mais forte e um aumento surpreendente nos estoques de gasolina dos EUA. No Brasil, pressiona Petrobras na baixa do preço da gasolina, que no último dia 12 sofreu mais um reajuste de 3,3 %.

Leia também

Depois de cinco sessões de negociações em baixa na ICE Europe, o petróleo evapora sob forte pressão dos vendedores se desfazendo das posições de outubro, o contrato driver.

O dólar atingiu a maior alta em nove meses, pesando sobre as commodities cotadas em dólar.

Tanto o petróleo Brent quanto o dos EUA caíram por seis dias consecutivos, a mais longa seqüência de quedas desde uma baixa de seis dias para ambos os contratos que terminaram em 28 de fevereiro de 2020.

Perde 3,20, a US$ 66 o barril (às 9hs de ontem), com base nas preocupações com o avanço da variante delta e a caótica tomada do Afeganistão pelo Talibã, sinais evidentes de que alguns países já sentem impacto no consumo, expondo a alta dos estoques no futuro sem que os produtores ainda deem sinais de estacionar a produção.

“As preocupações com a redução das expectativas de demanda como resultado de um aumento nos casos de coronavírus em todo o mundo contribuíram para a queda”, disse Naeem Aslam, da corretora Avatrade.

“A potencial retirada do apoio monetário, a caótica tomada do Afeganistão pelo Talibã que ameaça com outra crise migratória e as preocupações com a propagação contínua do vírus mantêm a demanda do dólar, o que, por sua vez, atua como uma quebra em qualquer tentativa de preço do petróleo corrida.”

Petrobras é pressionada a abaixar o preço da gasolina com a queda no valor do petróleo e etanol ganha força com paridade acima de 70%

Nessa circunstância, baixa sobre a Petrobras a expectativa do mercado quanto a alguma redução da gasolina, depois do aumento de 3,3% em 12 de agosto, e acende o alerta para o etanol.

Mesmo que a queda de hoje possa ser pontual, o tombo é forte para voltar acima dos US$ 70 o barril nas próximas sessões, mesmo porque o alerta com o avanço da covid deve continuar a dar espaço para estresse dos especuladores com derivativos.

O etanol hidratado veio de duas fortes altas nas usinas nas duas últimas semanas e já estava com a paridade acima de 70% com o combustível concorrente.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe