Consórcio Piauí-Alabama assina contrato com a Petrobras para descomissionar Cação, na Bacia do Espírito Santo

Flavia Marinho
por
-
04-05-2020 16:53:53
em Petróleo, Óleo e Gás
Consórcio Piauí-Alabama assina contrato com a Petrobras para descomissionar Cação, na Bacia do Espírito Santo Consórcio Piauí-Alabama assina contrato com a Petrobras para descomissionar Cação, na Bacia do Espírito Santo

Petrobras: ANP aprova programas de descomissionamento, entre eles estão o das três plataformas fixas de Cação, cujo descomissionamento será feito pelo Consórcio Piauí-Alabama, do FPSO Marlim Sul, em Campos, e do Piranema Spirit, em Sergipe-Alagoas, na Bacia do Espírito Santo. Petrobras põe à venda o campo de Manati, na Bacia de Camam, Bahia

Leia também

O grupo – composto ainda pela Sea Partners, Método e Shore – apresentou na licitação promovida pela Petrobras uma oferta de 38,5 milhões de dólares para realizar o serviço.

Está previsto no edital a retirada de todos os equipamentos e materiais de superfície, como passarelas, guindastes, topsides e jaqueta, além de materiais identificados com a presença de radiação de ocorrência natural.

Estão inclusos no escopo de serviço corte de equipamentos e estruturas submarinas, como estacas, condutores e tubulações em profundidade de até 1,5 m abaixo do assoalho marinho.

Tudo o que for retirado deverá ser transportado para uma área específica definida pela contratada, sendo que os deques e jaquetas terão de ser desmantelados e destinados como sucata.

O cronograma original previa o início das atividades offshore até julho de 2020, com a contratada tendo 90 dias para fazer a disposição final das estruturas, materiais e equipamentos das plataformas de Cação.

Programas de descomissionamento em análise e aprovados pela ANP

Está em análise pela Agência cinco programas de descomissionamento de instalações offshore, dois deles na Bacia de Campos, um em Santos, um na Bacia Potiguar e um em Camamu-Almada.

Em Campos são os da plataforma semissubmersível de produção P-15, da Petrobras, e do campo de Tubarão Azul, operado pela Dommo Energia.

Em Santos, está em análise o descomissionamento do campo de Oliva, no antigo bloco BS4, operado pela Enauta.

No Rio Grande do Norte, a ANP analisa o programa referente ao campo de Siri e, na Bahia, do do campo de Sardinha, ambos operados pela Petrobras.

Sete projetos de descomissionamento já foram aprovados pela ANP – cinco em Santos, dois em Sergipe-Alagoas, três na Bacia Potiguar, um no Espírito Santo e um em Camamu.

Entre eles estão o das três plataformas fixas de Cação, informado acima

Outro caso é o do FPSO Cidade do Rio de Janeiro, que, após ter rachaduras detectadas em seu casco durante a desmobilização no campo de Espadarte, foi rebocado para o Estaleiro Jurong Aracruz (ES) para passar por reparos antes de deixar o país.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe