3 mil transportadores de combustíveis e derivados de petróleo de MG aderem à paralisação na expectativa de redução do ICMS sobre o preço do diesel

tanqueiros - MG - petróleo - combustíveis ICMS - diesel Paralisação dos estanqueiros em MG – créditos: Alisson J. Silva 24/09/08

Os tanqueiros, que são transportadores de combustíveis e derivados de petróleo de MG, participaram da paralisação para que o ICMS sobre o preço do diesel seja reduzido. Presidente do Sindtanque-MG afirma que a paralisação é pacífica e não tem data para acabar

Os transportadores de combustíveis e derivados de petróleo de MG, que recebem o nome de tanqueiros, participaram da paralização convocada pelo sindicato da categoria para o feriado de Dia da Independência, no dia 7 de setembro. Esta é a expectativa de Irani Gomes, presidente do Sindicato dos Transportadores de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindtanque-MG). O presidente estima que 3 mil tanqueiros que atuam no estado entrem em greve. A paralisação ocorre para que o ICMS sejam reduzidos sobre o preço diesel.

Leia também

Paralisação nas rodovias de todo o Brasil

possibilidade de nova greve dos caminhoneiros em 2021

Grupos de caminhoneiros independentes estão se organizando para participar das paralisações convocadas pelo atual presidente, Jair Bolsonaro, embora não receba o apoio das entidades representativas do setor.

Através de um vídeo postado em redes sociais, o caminhoneiro Marinal Machado, apoiador de Bolsonaro e conhecido como Zé Trovão, afirmou que haverá paralisação nas rodovias de todo o Brasil.

O presidente do Sindtanque-MG, reafirmou que a paralisação será mantida por tempo indeterminado, a despeito de outros segmentos da área de transportes terem se manifestado contra as paralizações no dia 7. De acordo com o Irani, não haverá um local específico de concentração e cada grupo deverá cruzar os braços nos pontos de abastecimento de combustíveis.

Combustíveis: Preço do óleo diesel subiu 36,35%

De acordo com Irani, os transportadores de combustíveis e derivados de petróleo não abastecerão e permanecerão paralisados até que haja uma resposta do governador do MG em relação à redução do ICMS sobre o Diesel.

Na visão do presidente do Sindtanque-MG, os altos preços dos combustíveis refletem somente os valores do ICMS cobrado pelos estados. A afirmação não leva em consideração os efeitos da valorização do dólar sobre o real, o alinhamento de preços da Petrobras com a importação e a questão cambial.

Durante os últimos 12 meses até julho, o preço do óleo diesel subiu 36,35%, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), inflação oficial calculada pelo IBGE. Em Belo Horizonte (MG), a variação foi de 35,36%.

Paralisação dos transportadores não tem prazo para acabar

Em relação aos atos dos transportadores de combustíveis e derivados de petróleo desta terça-feira (7), o presidente da Sindtanque-MG, reafirmou que se trata de uma manifestação pacífica, que fará parte dos atos dos apoiadores das políticas propostas pelo presidente Jair Bolsonaro em todo o país.

O presidente também afirmou que a paralisação será apenas o começo do movimento e não tem data previsão para encerrar, e admitiu que haverá impactos nos aeroportos e postos de combustíveis.

Em resposta, o Governo do MG esclareceu que as alíquotas do ICMS incidentes sobre o diesel não passaram por alterações recentemente. De acordo o com o Governo, as últimas alterações foram feitas em 2012, quando o ICMS do Diesel aumentou de 12% para 15%, e em janeiro de 2018, quando o ICMS sobre a gasolina passou de 29% a 31%.  

Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.
fwefwefwefwefwe