Gasolina comum bate novo recorde de preço; consumidores já pagam mais de R$ 7 pelo combustível, diz ANP

Valdemar Medeiros
por
-
23-08-2021 12:47:07
em Petróleo, Óleo e Gás
gasolina - gasolina comum - ANP - consumidores Abastecimento – Imagem: Foto: Shutterstock

Devido à desvalorização do câmbio e outros fatores, a gasolina comum chegou a um preço maior que R$ 7 aos consumidores que utilizam o combustível no Rio Grande do Sul, segundo dados registrados pela ANP

De acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço da gasolina comum já passou dos R$ 7 no Rio Grande do Sul e os consumidores do Acre pagam R$ 6,99 desde a última semana. O preço médio do combustível no País subiu em 0,22% entre os dias 8 e 14 de agosto e já acumula alta de 0,60% no mês. De acordo com especialistas, o dólar tem grande influência no aumento do combustível, registrado pela ANP, mas outros fatores também contribuem.

Leia também

Preço do barril de petróleo aumenta após desvalorização do câmbio

De acordo com Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, os derivados de petróleo, como a gasolina comum, aumentam sempre que há uma desvalorização do câmbio e o preço do barril também aumenta. No dia 21, o dólar fechou a R$ 5,3848, e o petróleo Brent negociado em Londres chegou a US$ 65,18 por barril.

Na composição do preço da gasolina comum, a parte da Petrobras é a maior, segundo a ANP, com 32,9%. A estatal possuía 98% do mercado de refino até 2019, quando se comprometeu em vender metade de suas refinarias ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Até agora, a única que já foi vendida é a da Bahia, comprada pelo fundo soberano dos Emirados Árabes, Mubadala.

Quase 7% da gasolina consumida no Brasil vem de fora

Manter a igualdade de preços internacional é fundamental para que interessados sejam atraídos para outras refinarias. Outro ponto que reforça a necessidade disso é o fato do Brasil precisar importar combustível para que o mercado interno seja abastecido.

Cerca de 7% da gasolina que é consumida no País entre os meses de janeiro e junho vem do exterior, de acordo com Valéria Lima, diretora executiva de Downstream do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP). Segundo ela, não adianta colocar a culpa na Petrobras, pois o câmbio também pressiona muito e se estivesse mais baixo, a gasolina também estaria com melhor preço para os consumidores. E isso é resultado da política econômica, afinal, o câmbio também reflete as condições macroeconômicas do país.

A diretora também destaca que há outros determinantes para o preço da gasolina comum que chega aos consumidores. Até mesmo os biocombustíveis que são incluídos na mistura final subiram, como é o caso do etanol anidro, que é adicionado na proporção de 27% na gasolina comum e representa 15,9% do valor que chega aos consumidores.

ICMS é um dos maiores influenciadores no aumento registrado pela ANP

Um dos maiores vilões no preço do combustível é o ICMS, que também é responsável por 27,9% do valor que chega aos consumidores. Cada Estado possui competência para definir o valor e que de acordo com dados da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis varia entre 25% e 34% na gasolina, dependendo do estado.

Apesar de ser alto, o combustível brasileiro não está entre os mais caros do mundo. O preço médio mundial, era de US$ 1,20 por litro no dia 16 deste mês e de US$ 1,115 no Brasil.

Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.
fwefwefwefwefwe