Estados Unidos tenta conter desastre envolvendo um gigantesco vazamendo de 600 mil litros de petróleo, causado por navio ancorado nos portos da Califórnia

Flavia Marinho
por
-
08-10-2021 13:33:14
em Petróleo, Óleo e Gás
estados unidos - acidente - petróleo - desastre - vazamento Acidente envolvendo vazamento de 600 mil litro de petróleo na Califórnia, Estados Unidos

Após o grande desastre ambiental, o Governador Gavin Newsom, repetiu seus apelos para que os Estados Unidos se movam além do petróleo

A âncora de um navio pode ter fisgado, arrastado e rasgado um oleoduto subaquático, que derramou dezenas de milhares de galões de petróleo bruto no oceano ao sul da Califórnia, de acordo com investigadores federais, que também descobriram que o proprietário do oleoduto não encerrou rapidamente as operações depois que um sistema de segurança alertou para um possível vazamento.

Leia também

Assista o vídeo atualizado sobre o gigantesco desastre ambiental nos EUA

Permaneceram perguntas sobre a linha do tempo do derramamento do fim de semana, que sujou praias e um pântano protegido, potencialmente fechando-as por semanas, juntamente com a pesca comercial e recreativa, em um grande impacto para a economia local.

Alguns relatos de um possível derramamento, um cheiro de petróleo e um brilho oleoso nas águas de Huntington Beach, vieram na sexta-feira passada (01/10), mas não foram corroborados e o operador do oleoduto, Amplify Energy Corp., não reportou um vazamento até a manhã seguinte, disseram as autoridades.

Um alarme disparou em uma sala de controle da empresa às 2h30. No sábado, a pressão havia caído no oleoduto, indicando um possível vazamento, mas a Amplify esperou até as 6:01 da manhã para fechar o oleoduto, de acordo com resultados preliminares de uma investigação sobre o vazamento.

Empresa levou mais três horas para acionar o Centro Nacional de Resposta à Guarda Costeira dos EUA para derramamentos de petróleo

A empresa, com sede em Houston, levou mais três horas para notificar o Centro Nacional de Resposta à Guarda Costeira dos EUA para derramamentos de petróleo, disseram os investigadores, diminuindo ainda mais a resposta a um acidente, para o qual os trabalhadores da Amplify passaram anos se preparando.

No entanto, o CEO da Amplify, Martyn Willsher, insistiu que a empresa não estava ciente do vazamento até que viu um brilho na água às 8h09.

O plano de resposta ao derramamento da empresa exige a notificação imediata de um vazamento. Acusações criminais foram feitas no passado quando uma empresa demorou muito para notificar funcionários federais e estaduais de um vazamento.

Na terça-feira, investigadores federais de transporte disseram que o cano foi aberto a uma profundidade de cerca de 30 metros e uma seção de quase 1,5 km de comprimento foi puxada ao longo do fundo do mar, possivelmente por uma âncora que o fisgou e causou uma ruptura parcial, disseram investigadores federais de transporte.

Âncora de navio é responsável pelo grande desastre nos Estados Unidos

“O oleoduto foi essencialmente puxado como uma corda de arco”, disse Willsher. “No seu ponto mais largo, está a 32 metros de distância de onde estava.”

Enormes navios de carga cruzam regularmente acima do oleoduto enquanto se dirigem para o gigantesco complexo portuário de Los Angeles-Long Beach. Eles recebem coordenadas onde eles estão para ancorar até descarregar.

Navios cargueiros ancorados se movem continuamente por causa da mudança de ventos e marés, e uma âncora mal definida pesando 10 toneladas (9 toneladas) ou mais pode arrastar “qualquer que seja a âncora suja”, disse Steven Browne, professor de transporte marítimo da Academia Marítima da Universidade Estadual da Califórnia.

Não havia indicação se os investigadores suspeitam que uma nave em particular estava envolvida.

“Vamos garantir que tenhamos respostas sobre como isso aconteceu e garantir que responsabilizemos o responsável”, disse a congressista Katie Porter, democrata que preside o subcomitê de supervisão e investigações do Comitê de Recursos Naturais da Câmara. Ela representa um distrito a poucos quilômetros do interior da área de derramamento.

Cerca de 600 mil litros de petróleo foram derramados no oceano

O derramamento enviou até 572.807 litros de petróleo bruto pesado para o oceano, mas os socorristas de animais em terra ficaram agradavelmente surpresos ao encontrar poucas aves cobertas de óleo.

Durante um passeio de barco de duas horas ao largo da costa de Huntington Beach, um jornalista de vídeo da AP não viu óleo visível. Pelicanos e outros pássaros do mar flutuavam em águas calmas, e quatro golfinhos nadavam perto do barco.

Enquanto isso, oficiais da Guarda Costeira defenderam sua decisão de esperar até sábado de manhã para investigar um possível vazamento relatado pela primeira vez na noite de sexta-feira – cerca de 10 horas antes – perto de um grupo de barcos que estavam ancorados em Huntington Beach.

Às 2h06 de sábado, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica disse que imagens de satélite mostraram a forte probabilidade de uma mancha de óleo. O relatório foi feito ao Centro Nacional de Resposta, uma linha de vazamento perigoso da Guarda Costeira.

Moradores nas proximidades de Newport Beach também reclamaram, na sexta-feira à noite, sobre um forte cheiro de petróleo, e a polícia divulgou um aviso ao público sobre isso.

Governador Gavin Newsom repetiu seus apelos para que os Estados Unidos se movam além do petróleo

A Guarda Costeira foi alertada sobre um brilho na água por um “bom samaritano”, mas não tinha evidências suficientes e foi impedida pela escuridão e pela falta de tecnologia para buscar o derramamento, disse o almirante da Guarda Costeira Brian Penoyer à Associated Press.

Falando em uma coletiva de imprensa na última terça-feira, o governador Gavin Newsom, repetiu seus apelos para que os Estados Unidos se movam além do petróleo. Newsom assinou no ano passado uma ordem executiva proibindo a venda de novos veículos movidos a gás até 2035.

“É hora, de uma vez por todas, de nos desagastarmos que isso tem que fazer parte do nosso futuro. Isso faz parte do nosso passado”, disse ele da Praia Estadual do Bolsa Chica, onde se juntou a autoridades locais, estaduais e federais para discutir o derramamento.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe