Com investimentos de mais de R$ 400 bilhões, a Petrobras anuncia 15 novas plataformas de petróleo para entrar em produção nos próximos cinco anos

Flavia Marinho
por
-
26-11-2021 09:19:35
em Petróleo, Óleo e Gás
Metalúrgicos em obras no estaleiro de construção naval em es

Grande notícia para a construção naval e trabalhadores onshore e offshore! A gigante do petróleo brasileiro amplia investimentos e anuncia 15 novas plataformas de petróleo até 2026.

Petrobras informou em fato relevante ao mercado, que seu Conselho de Administração aprovou na útima quarta-feira (24/11), o Plano Estratégico para o quinquênio 2022-2026 (PE 2022-26). Nos próximos cinco anos, a companhia prevê investimentos de US$ 68 bilhões, valor 24% superior ao mesmo período do plano anterior, além de 15 novas plataformas de petróleo para entrar em produção, também nos próximos cinco anos.

Leia também

“A Petrobras mantém sua estratégia consistente de focar em projetos com pleno potencial de gerar recursos e contribuições para a sociedade brasileira. Priorizamos transformar recursos em riquezas para o país ao mesmo tempo em que trilhamos o caminho sustentável para a transição energética. Ampliamos nossa previsão de investimentos para os próximos anos e fazemos isso com extrema responsabilidade e diligência na alocação dos recursos”, destaca o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna.

Serão investidos US$ 57 bilhões entre 2022 e 2026 na área de exploração e produção de petróleo e gás

No segmento de E&P, serão investidos US$ 57 bilhões entre 2022 e 2026. Para o período está prevista a entrada em operação de 15 novas plataformas em seis campos, com mudança na estratégia de contratação de unidades afretadas por próprias em alguns dos projetos.

Foi mantida a premissa destacada no plano passado de resiliência da carteira de investimentos do E&P, de maneira que todos os projetos considerados apresentam viabilidade econômica em cenário de preço do petróleo de US$ 35 por barril no médio e longo prazo. Esta premissa reforça o foco da Petrobras em ativos competitivos em cenários acelerados de transição.

A produção de óleo e gás estimada para 2022 e 2026, respectivamente, são de 2,7 e 3,2 milhões de barris de óleo equivalente por dia.

Petrobras confirmou investimentos na Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Terminal de Santos, no GasLub e UTG em Itaboraí

Na área de Refino, a Petrobras investirá US$ 6,1 bilhões nos próximos cinco anos, sendo US$ 1,5 bilhão na integração entre a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e o GasLub Itaboraí, para a produção de derivados de alta qualidade e óleos básicos, a fim de aproveitar a crescente demanda do mercado de lubrificantes.

Outro projeto relevante previsto no plano é a conclusão da segunda unidade da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), com investimentos de US$ 1 bilhão, possibilitando a ampliação de sua produção de 115 mil para 260 mil barris por dia (bpd) em 2027.

Para a Comercialização e Logística, o investimento de US$ 1,8 bilhão se destina principalmente à continuidade operacional, focada em um ambiente cada vez mais competitivo, com destaque para os investimentos obrigatórios a serem alocados no Terminal de Santos, em função do leilão da área realizado recentemente.

O investimento de US$ 1 bilhão previsto para a área de Gás e Energia contempla, principalmente, conclusão da Unidade de Tratamento de Gás (UTG) Itaboraí, com previsão de entrada em operação em 2022, além de manutenções e paradas programadas dos ativos.

Estatal quer ser a melhor empresa de energia na geração de valor, com foco em óleo e gás, sustentabilidade, segurança, respeito às pessoas e ao meio ambiente

A visão da Petrobras, no plano aprovado, é a de “ser a melhor empresa de energia na geração de valor, com foco em óleo e gás, sustentabilidade, segurança, respeito às pessoas e ao meio ambiente”.

A inclusão da sustentabilidade na visão é refletida no investimento de US$ 2,8 bilhões para redução e mitigação de emissões, incluindo investimentos em eficiência operacional incorporados nos projetos para mitigação das emissões (escopos 1 e 2), bioprodutos (diesel renovável e bioquerosene de aviação) e pesquisa e desenvolvimento.

Todos estes projetos contribuirão para a ambição divulgada em setembro pela Petrobras de atingir a neutralidade das emissões de gases de efeito estufa das operações sob seu controle, em prazo compatível com o estabelecido pelo Acordo de Paris.

A Petrobras também tem como estratégia utilizar o seu potencial inovador para gerar soluções em descarbonização e novas linhas de negócio. Nesse sentido, estão previstos investimentos na área de Transformação Digital e Inovação da ordem de US$ 1,6 bilhão no horizonte do PE 2022-26, com foco na eficiência, na conformidade ambiental, na segurança das operações e nos compromissos com a sustentabilidade.

Plano reforça a importância de uma Petrobras forte, saudável e geradora de recursos

Todos os projetos previstos no Plano serão executados seguindo as melhores práticas de governança e conformidade. A companhia reafirma seu compromisso de adotar um modelo de governança que permita o equilíbrio entre eficiência e controle; e promover um ambiente de referência em ética e transparência, consolidando a cultura de integridade entre os colaboradores e com tolerância zero à fraude e corrupção.

Hoje, a companhia atua de forma íntegra e suas decisões consolidam sua saúde financeira assim como asseguram a sustentabilidade da empresa.

“Este plano reforça a importância de uma Petrobras forte, saudável e geradora de recursos. Em 2021 são estimados mais de R$ 220 bilhões entre tributos e impostos recolhidos e dividendos pagos à União e demais entes federativos. Vamos gerar cada vez mais recursos que não ficam retidos no caixa da companhia, mas retornam à sociedade sob a forma de tributos, dividendos e investimentos, com efeito multiplicador na geração de empregos e no crescimento da economia brasileira. No horizonte do plano, estão previstos pagamentos de participações governamentais, tributos e dividendos à União que representam cerca de 58% da nossa geração de caixa operacional. Isso significa que grande parte da geração de caixa das nossas operações retorna ao nosso maior acionista, que é o Estado Brasileiro”, conclui o presidente Silva e Luna.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe