Mais um recorde da gigante do petróleo brasileiro: com 104 operações em novembro, Terminais de Regaseificação de GNL da Petrobras batem o recorde anual de transbordos

Flavia Marinho
por
-
24-11-2021 09:23:53
em Petróleo, Óleo e Gás
GNL - GNA - GNV - GÁS - PREÇO - SIEMENS - PETROBRAS

Petrobras, a maior produtora global de petróleo em águas profundas, quer atingir 120 transbordos de cargas de gás natural liquefeito (GNL) em dezembro

A Petrobras informou ontem (23/11), em fato relevante, que atingiu em 4 de novembro de 2021 o recorde de 104 operações de transbordo de cargas de gás natural liquefeito (GNL) entre embarcações (STS ou Ship-to-Ship) através de seus terminais de regaseificação de GNL.

Leia também

Segundo a petroleira, a marca superou os 103 procedimentos registrados em 2014, anteriormente o ano de maior demanda.

Aumento do número de operações reflete o crescimento das importações de GNL pela Petrobras neste ano

Até o final de 2021, a expectativa é chegar a 120 transbordos. O aumento do número de operações reflete o crescimento das importações de GNL pela Petrobras este ano. Desde 2009, data de inauguração do primeiro terminal de GNL do Brasil, foram realizadas 716 operações no total.

“O recorde é resultado de um conjunto de iniciativas adotadas pela Petrobras para ampliar a oferta de gás natural, garantindo o atendimento aos seus compromissos no atual cenário de crise hídrica nacional”, diz a estatal no comunicado.

E somente foi possível devido ao esforço da equipe de gestão dos terminais para manutenção da integridade e da disponibilidade dos ativos da companhia, bem como das equipes de programação e comercial para aquisição das cargas de GNL no mercado, garantindo a disponibilidade de estoque.

Siemens fatura pedido grandioso para a construção da Usina Termelétrica GNA II, no Porto do Açu; o maior complexo de GNL da América Latina conta com investimentos de R$ 6 bilhões e fornecerá energia para 14 milhões de residências

A Siemens Energy acaba de faturar um contrato para a construção da Usina Termelétrica GNA II, localizado em Porto do Açu, no estado do Rio de Janeiro – o maior complexo de GNL da América Latina. UTE GNA II será a segunda usina de ciclo combinado que a Siemens Energy irá construir em regime de turnkey no polo termelétrico e terá uma capacidade instalada de 1,7 gigawatt (GW).

De acordo com Siemens, a construção da planta, que já está em andamento, se dá após o comissionamento bem-sucedido de GNA I, no segundo semestre de 2021.

Com uma capacidade combinada de 3 GW, GNA I e GNA II serão capazes de fornecer eletricidade com equivalente ao consumo de 14 milhões de residências. Esse segundo pedido contará com a primeira aplicação no Brasil da turbina a gás – classe HL.

A usina está sendo construída em conjunto com a parceira do consórcio Andrade Gutierrez, que fornecerá às obras civis, de infraestrutura e montagem.

O complexo termelétrico faz parte do Polo Gás do Açu, projeto em desenvolvimento no Complexo Portuário do Açu, que visa fornecer uma solução logística para o recebimento, processamento, conversão em energia elétrica e transporte do gás natural nas bacias de Campos e Santos, bem como para importar e armazenar GNL. Uma segunda fase compreenderá projetos de energia térmica adicionais sob a licença ambiental de 6,4 GW de propriedade da GNA.

A construção da usina GNA I foi iniciada em janeiro de 2018 e entrou em operação comercial em setembro de 2021. As duas usinas fornecerão energia para regiões como Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, dentro do Sistema Interligado Nacional.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe