BNDES finaliza construção da usina de oxigênio para hospital de Roraima

BNDES - usina - hospital preparativos para a nova usina de Roraima

Após doação da Eneva, BNDES e o seu programa intitulado “Matchfunding Salvando Vidas” a entrega da nova usina de oxigênio para o hospital de Roraima acontece em breve

O programa Matchfunding Salvando Vidas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entregará, nos próximos dias, uma usina de oxigênio com capacidade de produção de 30 metros cúbicos por hora e cilindros para armazenagem com capacidade de 10 metros cúbicos ao Hospital Geral de Roraima, o maior hospital público da capital Boa Vista. Com previsão de entrega até 25 de fevereiro, a usina poderá atender até 30 leitos de UTI para a Covid-19.

Leia também

Eneva em parceria com BNDES

A Eneva, empresa integrada de geração de energia, doou R$ 800 mil ao programa Matchfunding Salvando Vidas, que prevê mais R$ 1 doado pelo banco por cada real recebido.

“O BNDES e a Eneva dão um belo exemplo de como, juntos, podemos salvar muitas vidas”, disse chefe do Departamento de Relacionamento de Impacto com Setor Corporativo do BNDES, Marcus Cardoso Santiago.

‘Ainda estamos na fase grave’, diz secretário

Segundo o secretário de Saúde, Marcelo Lopes, a usina tem capacidade de produção de mil metros cúbicos diários – metade do que o estado precisa atualmente. Ela produz O2 a partir de energia elétrica e por isso, o secretário afirma que não deve haver economia de gastos.

“A iniciativa foi da Eneva e nós [governo] por sabermos que eles tinham ISO containers [caixa de metal] , pedimos a utilização para buscar oxigênio fora daqui, porque eles atenderam o estado do Amazonas, e se prontificaram a doar uma usina”, disse Marcelo Lopes.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.