Aquecido pelo aumento das compras online e do delivery, setor de Embalagem registra alta no consumo de energia em agosto

Paulo Nogueira
por
-
26-09-2020 15:30:52
em Economia, Negócios e Política
setor de Embalagem economia delivery

De acordo com Índice Comerc, setor encerrou agosto com alta no consumo de energia em comparação ao mesmo período de 2019

São Paulo, setembro de 2020 – Na contramão da crise ocasionada pela pandemia de Covid-19, o setor de Embalagens vem operando a pleno vapor. A implementação de medidas de isolamento para conter o vírus fez com que o comércio online e a alimentação por delivery aumentassem exponencialmente, resultando em maior demanda por embalagens. O setor encerrou agosto com um ligeiro aumento no consumo de energia: 0,88% em relação ao mesmo mês de 2019. É o que aponta o Índice Comerc, que apura o consumo de energia nos 11 principais setores da economia.

Leia também

O desempenho animador do setor vem sendo observado há alguns meses. No primeiro semestre, o país produziu 357 mil toneladas de papel cartão – alta de 1,4%, em relação ao mesmo período em 2019, segundo a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá). Já a produção de papelão ondulado registrou alta de 8,16% em julho em comparação ao mesmo período de 2019, de acordo com a Associação Brasileira do Papelão Ondulado – ABPO.

Para Marcelo Ávila, vice-presidente da Comerc Energia, o consumo de energia pelo setor de Embalagens deve se intensificar ainda mais até o fim do ano. “Mesmo com a flexibilização das medidas de isolamento, observamos que o consumo online e por delivery deve permanecer em alta, pois foi muito bem recebido pelo consumidor. Além disso, o último trimestre do ano tende a ser favorável para o setor devido às datas comemorativas, como Dia das Crianças [outubro], a Black Friday [novembro] e o Natal [dezembro]”. Ávila ressalta que outros setores devem ser impactados com a proximidade dessas datas, com Alimentos e Comércio & Varejista, que costumam intensificar suas atividades no fim do ano.

O otimismo com a retomada também pode ser observado no setor Químico – que ao exemplo do setor de Embalagens, permaneceu aquecido mesmo durante a pandemia e, em agosto, apresentou alta de 3,8% em comparação a agosto de 2019. De acordo com um levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), no mês de agosto aproximadamente 40% dos segmentos industriais registraram um nível de confiança maior do que o observado no período pré-pandemia, com a indústria química ocupando o terceiro lugar no ranking, poucos pontos atrás da Têxtil e da de Veículos.

Em agosto, oito dos 11 setores monitorados pelo Índice Comerc apresentaram alta no consumo de energia em relação ao mês anterior (julho). Dos que apresentaram queda, Alimentos e Papel & Celulose permaneceram na média histórica (2,13% e 2,52%, respectivamente); Materiais de Construção, que se mostrou aquecido durante a pandemia, apresentou queda de 7,02%. “Todos os setores estão ansiosos pela retomada, que já vem sendo observada, mesmo que de maneira modesta. É cedo para avaliar, no consolidado do ano, os setores que serão mais ou menos impactados com a pandemia, mas ver que o mercado está se aquecendo e se preparando para o último trimestre deve ser enxergado de forma positiva”, completa Ávila.

Metodologia

O Índice Comerc Energia, publicado mensalmente, leva em conta o consumo de mais de 2.300 unidades de sua carteira, pertencentes aproximadamente 1.100 empresas que compram energia elétrica no mercado livre.

Sobre a Comerc Energia

A Comerc Energia é o maior e mais completo prestador de serviços relacionados ao mercado de energia no Brasil. Com um portfólio composto por mais de 2.300 unidades de consumo, pertencentes a aproximadamente 1.100 empresas, seu faturamento foi de cerca de R$ 3 bilhões em 2019A Comerc Energia é composta de sete unidades de negócio, de modo a atender plenamente as necessidades de seus clientes. A Comerc Gestão é a maior gestora de energia do país, sendo responsável por gerir, em 2019, 3.500 MW médios, ou o equivalente a 5% da energia consumida no País. Também administra aproximadamente 5 GW de potência de mais de 130 geradores, produtores independentes e autoprodutores, o equivalente a 35% da potência total da usina hidrelétrica de Itaipu.

Comerc Trading é uma das maiores comercializadoras independentes do país, negociando em 2019 uma média de 1,6 GWm por mês, considerando as operações de compra e de venda. Já, a Newcom é uma trading independente, com vocação para estruturar operações complexas que envolvam a compra e venda de contratos de energia. Sua carteira possui, ainda, operações de proteção de resultados e antecipação financeira. A Comerc Gás faz gestão do consumo de gás natural, auxiliando na contratação deste insumo, com possibilidades de redução de custo para empresas e apoio às complexas soluções regulatórias. Paralelamente, a Comerc Esco estrutura projetos de geração distribuída e faz a gestão da geração e do consumo, além de desenvolver e implantar soluções de eficiência energética, com foco na redução do consumo de energia elétrica. Por fim, a MicroPower-Comerc desenvolve projetos de armazenamento de energia elétrica em baterias.

No campo da inovação e da tecnologia, a Comerc atua, por meio do DocLabs, com um espaço para acelerar startups; e com soluções de tecnologia para corporações, com a empresa DOC 88.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.