Para construção de nova usina térmica no Porto do Açu, R$ 3,93 bilhões é aprovado pelo BNDES

BNDES, Porto do Açu, usina Usina termelétrica no Porto do Açu

O financiamento liberado pelo BNDES será destinado a UTE GNA II e para implantação da usina termelétrica no Porto do Açu

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, aprovou o financiamento solicitado pela GNA – Gás Natural Açu, destinados para a UTE GNA II e para a implantação da usina termelétrica no Porto do Açu. O financiamento concedido a joint venture formada por Prumo Logística, BP e Siemens será para a construção do maior parque termelétrico a gás natural da América Latina, no Complexo do Açu.

Veja ainda outras notícias do dia:

Detalhes da usina termelétrica:

A usina termelétrica é localizada no Porto do Açu, município de São João da Barra, região norte do estado do Rio de Janeiro. A termelétrica terá quatro geradores, três movidos à gás natural e um a vapor. A capacidade total instalada será de 1.673 megawatts, o suficiente para abastecer 7,8 milhões de residências.

O projeto faz parte de um parque termelétrico a gás natural construído pela GNA no Porto do Açu. A primeira UTE GNA I da usina, com capacidade instalada de 1338 MW, também recebeu apoio financeiro do BNDES e pode entrar em operações ainda no primeiro semestre deste ano.

O Diretor-Presidente da GNA, Bernardo Perseke, diz que “Hoje é um dia muito importante para a GNA. A aprovação do financiamento junto ao BNDES viabiliza a realização de um investimento muito significativo no Brasil e no Estado do Rio, um sinal de confiança para a retomada da economia no pós-pandemia. Além disso, a presença do BNDES no financiamento da UTE GNA II demonstra a sua confiança na visão estratégica da GNA para a criação de um hub de gás no Porto do Açu.”

Carla Primavera, Superintendente da Área de Energia do BNDES, “O financiamento conta também com um componente de inovação, uma estrutura de crédito que assegura as fontes de recursos de longo prazo necessárias para a implantação projeto, mas também proporciona ao cliente a opção de escolha de outro financiamento e o melhor momento para a sua captação. A inovação está em linha com a estratégia do BNDES de incentivar o desenvolvimento do mercado de crédito a projetos de infraestrutura no Brasil, buscando também inovações que permitam o compartilhamento de riscos.”

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos