China, o maior importador de petróleo do mundo, ‘dribla’ sanções dos EUA e compra mais de 324 milhões de barris da Venezuela e do Irã por preço baixo

Flavia Marinho
por
-
15-01-2022 08:03:45
em Petróleo, Óleo e Gás
china - chineses - petróleo - preço - EUA - Venezuela - irã Presidente da Venezuela fechando acordo em cerimonia com presidente da China

Risco de perder acesso ao sistema financeiro dos EUA ou ter ativos americanos congelados não impediu os chineses de arriscarem e comprarem petróleo do Irã e da Venezuela

A China, o gigante asiático, dobrou em 2021 as importações de petróleo iraniano e venezuelano. O país chinês aproveitou ao máximo os regimes sancionados pelos EUA em três anos, enquanto as refinarias do país evitavam o risco de penalidades para obter petróleo barato.

Leia também

De acordo com os dados da empresa de inteligência de mercado Kpler, os processadores de petróleo da China, o maior importador do mundo, compraram 324 milhões de barris do Irã e da Venezuela em 2021, o que representa cerca de 53% a mais do que no ano anterior. Isso é o máximo desde 2018, quando a China levou 352 milhões de barris das duas nações.

China arrisca e compra petróleo do Irã e da Venezuela

A China, principalmente as refinarias privadas chinesas, se beneficiaram da linha dura dos EUA em relação ao Irã e à Venezuela, continuando a comprar petróleo desses países muito depois que outros lugares da Ásia cessaram as compras.

O risco de que entidades não americanas percam o acesso ao sistema financeiro dos EUA ou tenham seus ativos americanos congelados se forem consideradas culpadas de violar as sanções não os impediu.

Um excesso de cargas não vendidas, o aumento dos preços internacionais que tornam o petróleo sancionado relativamente mais barato e a emissão de mais cotas de importação de petróleo da China incentivaram as refinarias privadas, conhecidas como bules, a comprar mais petróleo dos Estados párias. Essas remessas normalmente não aparecem nos dados oficiais da alfândega.

Curiosamente, petróleo iraniano fica até 10% mais barato quando entregue na China

“Esse aumento foi desencadeado pelo avanço dos preços do petróleo, tornando o petróleo iraniano curiosamente até 10% mais barato quando entregue na China”, disse Anoop Singh, chefe de pesquisa de navios-tanque do leste de Suez da Braemar ACM Shipbroking, sobre a aplicação de sanções enquanto tentava obter um acordo nuclear com o Irã.

O petróleo sancionado é normalmente transportado em navios antigos que, de outra forma, seriam destinados a ferros-velhos, proporcionando economia de custos, de acordo com Singh. As cargas podem ser enviadas diretamente do país de origem em navios-tanque que escureceram – o que significa que seus transponders estão desligados – ou transferidos entre navios no mar para mascarar a origem do petróleo, disse ele.

Os petróleos do Irã e da Venezuela são frequentemente renomeados e passados como petróleo de Omã e da Malásia. A China não recebe nenhum petróleo iraniano desde dezembro de 2020, enquanto as importações de Omã e Malásia aumentaram, mostram dados oficiais.

As importações chinesas de petróleo sancionado devem permanecer elevadas em torno dos níveis atuais no início deste ano, em meio ao lento progresso nas negociações nucleares, disse Singh.

O aumento dos preços internacionais do petróleo também tornará os barris dos países sob sanção ainda mais atraentes. Isso pode ser exacerbado por investigações fiscais e de poluição em bules chineses, que estão colocando mais pressão sobre eles, disse Yuntao Liu, analista da Energy Aspects em Londres.

Publicidade




Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.