Brasil segue consistente e fecha o mês de abril com produção diária de 2,958 milhões de barris de petróleo

Flavia Marinho
por
-
02-06-2020 16:35:11
em Petróleo, Óleo e Gás
Brasil segue consistente e fecha o mês de abril com produção de 2,958 milhões de barris de petróleo por dia Brasil segue consistente e fecha o mês de abril com produção de 2,958 milhões de barris de petróleo por dia

97,6% de toda produção nacional de petróleo e 86% da produção de gás vieram de exploração offshore. Campos operados pela Petrobras

De acordo com o Boletim da Produção de Petróleo e Gás Natural, divulgado neste dia (2) pela ANP, o Brasil fechou o mês de abril com 2,958 milhões de barris de petróleo dia, o que apesar de considerável estável, representa uma queda de 0,5% em comparação com o mês anterior. Petrobras põe à venda participação em blocos exploratórios na Bacia do Espírito Santo

Leia também

Já a produção de gás natural fechou o mês de abril em 124 milhões de m³/dia, o que representa uma alta de 1,9% em comparação com o mês de março.

97,6% de toda produção nacional de petróleo e 86% da produção de gás vieram de exploração offshore. Campos operados pela Petrobras, em consórcio ou não, produziram 94,9% do petróleo e gás natural.

De acordo com os dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP, 113 poços do pré-sal produzem atualmente 2,057 milhões de barris/dia de petróleo e 85,964 milhões de m³/dia de gás natural, o que representa 70% da produção de petróleo e gás no Brasil

O campo de Lula, primeiro desenvolvimento da produção do pré-sal feito pela Petrobras, é o maior produtor do país, com 1 milhao de barris por dia de petróleo e 45,7 milhões de m³/dia, de gás natural.

FGV reuniu os presidentes das 6 maiores petroleiras do mundo para debate sobre o impacto do Covid-19 na indústria de petróleo no Brasil

Na reunião o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, chegou a mencionar que os atuais investimentos estrangeiros só foi possível devido a uma flexibilização do conteúdo local, mas mencionou que ainda há muito por se fazer para tornar a legislação favorável a investimentos, sem explicar porque os último leilões não atraíram o capital estrangeiro e só tiveram ofertas da Petrobras e dos chineses, mesmo assim em consórcio com a estatal brasileira.

Neste mesmo encontro promovido pela FGV, Castello Branco falou também que o regime de partilha é ruim para o estado. O regime de concessões também foi defendido pelo CEO da Shell, André Araújo, já o VP da Equinor, Paulo Van Der Vem, ressaltou que embora a empresa esteja cortando US $ 400 milhões em projetos pelo mundo, os investimentos no Brasil não sofrerão redução e destacou os projetos da empresa no Brasil no campo de Bacalhau, Pão de Açúcar e Peregrino Fase 2. Confira aqui o vídeo completo debate!

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.