Airbus apresenta 03 projetos de aviões movidos a hidrogênio

Valdemar Medeiros
por
-
22-09-2020 11:54:02
em Petróleo, Óleo e Gás
Airbus - hidrogênio - aviões Avião movido a hidrogênio da empresa Airbus

Airbus, a empresa aeroespacial multinacional européia revelou 03 aviões movidos totalmente com hidrogênio

O fabricante europeu de aviões Airbus revelou na segunda-feira três conceitos para aeronaves comerciais movidas a hidrogênio, dizendo que os primeiros aviões com emissão zero do mundo poderiam começar a voar até 2035.

Leia também

Sobre os 03 aviões movidos a hidrogênio

Os 03 aviões da Airbus

Os três conceitos ZEROe “oferecem ao mundo um vislumbre de nossa ambição de conduzir uma visão ousada para o futuro dos voos de emissão zero”, disse o CEO da Airbus, Guillaume Faury.  

Esta ambição inclui conceitos para aeronaves com um motor turbofan capaz de transportar 120-200 passageiros por mais de 2.000 milhas náuticas (3.704 km / 2.302 milhas) e um motor turboélice que pode acomodar até 100 passageiros e viajar mais de 1.000 milhas náuticas.

O mais impressionante dos três é o terceiro design de “corpo de asa mista”, que funde as asas com o corpo principal da aeronave. O avião teria o alcance transcontinental do conceito turbofan com capacidade para até 200 passageiros.

Quando a Airbus deve colocar em prática e a venda?

O próximo passo da Airbus será validar esses conceitos e avaliar se eles podem ser transformados em produtos futuros viáveis. O fabricante do jato destacou que a transição para o hidrogênio exigiria o apoio dos governos na forma de maior financiamento para pesquisa e tecnologia, digitalização e mecanismos que estimulem o uso de combustíveis sustentáveis ​​e renovação da frota de aeronaves.

Para que o novo tipo de avião ganhe tração, os aeroportos terão que ser reformados para incorporar a infraestrutura de transporte e reabastecimento de hidrogênio, enquanto a energia renovável e a produção de hidrogênio precisarão ser ampliadas, disse a empresa.

“O coração dos motores de um avião é uma turbina de gás” na qual o querosene vaporizado é queimado, explicou o diretor-geral da aviação civil (DGAC) francesa, Patrick Gandil. E fazer combustão com hidrogênio, “quase tão energética quanto”, precisaria apenas, segundo ele, de pequenas modificações.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.