Universidade do PR investe em energia renovável a partir de hidrogênio e fécula de mandioca

Valdemar Medeiros
por
-
17-11-2021 11:41:29
em Energia Renovável
UEL - universidade - PR - Fécula de mandioca - mandioca - energia renovável Indústria paranaense produz 70% da fécula de mandioca do País – crédito: UEL – PR




Universidade do PR está investindo em energia renovável que pode ser gerada a partir de hidrogênio e fécula de mandioca. O estudo teve início em 2017 e o estado é um dos principais produtores brasileiros de fécula de mandioca, com 70% do volume do país.

Derivada da produção de agroindústrias espalhadas nos polos Noroeste, Leste e Oeste do PR e usada na indústria de tecido, cola, papel e tintas, a fécula de mandioca é o tema de uma pesquisa feita em uma Universidade do estado. O projeto está ligado ao diretório de pesquisas do CNPq e ao Centro de Tecnologia e Urbanismo (CTU), no setor de Engenharia Sanitária da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Leia também

Projeto para produzir energia renovável com o uso de hidrogênio e fécula de mandioca teve início em 2017

De acordo com Deize Dias Lopes, coordenadora do projeto, a Universidade do PR começou a trabalhar com a produção de hidrogênio e metano no fim de 2017. A professora afirma que os estudos ligados ao hidrogênio estão em fase inicial em todo o mundo, mas o metano gerado por féculas de mandioca já é estudado há alguns anos.

A Doutoranda Isabela Bolonhesi produz uma tese a respeito da geração de energia renovável a partir do hidrogênio e fécula da mandioca. Ela analisa o processo de decomposição anaeróbia da água residual presente na fécula de mandioca. Segundo a doutoranda, por meio desse processo, que é dividido em duas fases, há a possibilidade de extrair o biogás proveniente da quebra.

Estudo da universidade de Londrina tem grande potencial de gerar energia renovável

Um dos principais pontos da pesquisa da Universidade de Londrina sobre o hidrogênio e a fécula de mandioca é a aposta na produção de energia renovável e limpa, principalmente em um cenário de crise hídrica em que o país se encontra e precisa de uma revisão de sua matriz energética, de acordo com a pesquisadora. No último ano, o PR teve a geração de 300 mil toneladas de fécula de mandioca.

Os efluentes líquidos dessa geração, se transformados em biocombustível, podem gerar cerca de 15 GW anuais de energia renovável. A produção de bioenergia por meio do gás metano no país ainda está dando seus primeiros passos. Temos uma produção de 0,9% de energia renovável gerada por essa fonte em média.

O biocombustível tratado de forma correta tem uma redução de sua carga orgânica, o que também reduz o seu impacto no meio ambiente ao descarte desse efluente na natureza. Embora o resíduo seja descartado corretamente, ele ocupa espaço em um aterro, então é um reaproveitamento total da produção.

Viabilidade econômica na produção de biogás a partir de fécula de mandioca

Outra pesquisa, ligada ao projeto é a tese de Ivan Taiatele Junior. O estudo avalia a viabilidade econômica do reaproveitamento energético dos resíduos para empresas de portes diversos.

Sendo assim, nesse sentido, Deize ressalta que, para pequenas produtoras de fécula, que pretendem exportar a produção, há a possibilidade de se unir para participar da economia circular.

O momento é de oportunidade, porque a China adquiriu a produção de fécula da Tailândia, e consequentemente o Brasil deverá bater recordes na exportação do produto. As grandes produtoras já exportam sua produção, em geral, para a China. Para as pequenas encontrarem competitividade, essa é a chance.

Sites Parceiros

Publicidade




Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.