Setor de transportes brasileiro vê leve recuperação em 2021, segundo indicadores econômicos

Setor de Transportes economia CNT recuperação Representação dos principais setores de transporte do Brasil

Uma pesquisa feita com grandes empresas do setor de transportes mostrou que há otimismo de recuperação, porém, ainda há muitos desafios fiscais a serem superados

Indicadores econômicos , especialmente no setor de transportes, sugerem que o Brasil está deixando para trás a pior fase do surto de COVID-19, mas terá que lidar com desafios fiscais. 

Pela primeira vez em três meses, as perdas de empregos no setor de transportes, fortemente impactadas pelas medidas de distanciamento social, não aumentaram. Algumas empresas até cortaram menos empregos, de acordo com uma pesquisa apresentada na segunda-feira(14) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

A pesquisa apurou que 35,9% dos entrevistados esperam uma recuperação das receitas em 2021. 

“Os resultados desta pesquisa mostram que as empresas de transporte estão comprometidas com a retomada da atividade econômica no país, mesmo indicando uma eventual recuperação de parte dos empregos perdidos durante a pandemia”, disse o presidente da CNT, Vander Costa, durante a apresentação do estudo.

Costa destacou a importância da extensão da desoneração da folha de pagamento

Das empresas consultadas pela CNT, 67,4% disseram ter sofrido perdas durante a pandemia. Enquanto isso, 52,5% dos entrevistados acreditam que levará pelo menos um ano antes que a demanda pré-pandemia retorne, enquanto 8,5% disseram que sua empresa nunca mais veria níveis de receita pré-pandêmica  .

ECONOMIA 

O índice IBC-Br do banco central , considerado uma proxy para o produto interno bruto mais amplo, subiu 2,15% em julho em relação a junho, marcando o terceiro aumento mensal consecutivo, de acordo com dados publicados na segunda-feira. 

A economia parece ter sofrido menos do que outras no geral, mas os riscos fiscais aumentaram. 

“O desempenho superior do Brasil até agora pode ser atribuído, em grande medida, a respostas políticas rápidas e decisivas, que ajudaram a mitigar o impacto das medidas de distanciamento social nos gastos das famílias (as vendas no varejo voltaram aos níveis pré-coronavírus já em junho), mas devido às restrições fiscais do governo não podem ser sustentadas por muito mais tempo ” , disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho para a América Latina, Luciano Rostagno, em nota de pesquisa.

“Isso significa que a recuperação econômica em curso inevitavelmente desacelerará nos próximos trimestres e o Brasil ainda terá que lidar com seus problemas fiscais”, acrescentou. 

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.