Reunião entre Petrobras e Petroleiros termina sem acordo e em clima tenso

Acordo coletivo da Petrobras

Primeira reunião para definir o acordo coletivo de 2019 entre Petrobras e os representantes dos Petroleiros termina sem acordo e foi marcada pelo clima tenso

A primeira reunião entre Petrobras e trabalhadores visando o acordo coletivo de trabalho 2019 não começou bem para ambos os lados.
A falta de acordo entre a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), a Frente Única dos Petroleiros (FUP) e a Petrobras marcou o clima do encontro.

A proposta da Petrobras de manter os salários sem reajuste foi recebida com gritos de “nenhum direito a menos” pelos trabalhadores, sendo que a FNP chegou a classificar a proposta como “vergonhosa”. (Vide no final da matéria a proposta da Petrobras).

Este aliás, não foi o único ponto que desagradou os petroleiros, a estatal também propôs terminar com o pagamento de gratificação para quem atua em campos terrestres de produção e suspender o pagamento adicional de permanência dos trabalhadores no estado do Amazonas, ambas as medidas a serem adotadas a partir de 1º de setembro.

Os petroleiros também não gostaram das mudanças no Programa Jovem Universitário que impedem novas inscrições e mudanças ou trancamentos no curso, sob o risco de perderem o direito ao benefício.

O que acharam os sindicatos

A FNP declarou que a proposta de acordo coletivo da Petrobras corta direitos já conquistados em acordos anteriores, totalizando 25 cláusulas do atual acordo, além do congelamento de salários.

Já a FUP, através de seu coordenador, José Maria Rangel, declarou que a proposta da Petrobras de retirar direitos conquistados pelos trabalhadores já é visando uma preparação para a privatização da empresa.

Com o clima tenso, a reunião terminou com ambas as entidades de classe rejeitando a proposta da Petrobras e decidindo que, até o dia 06 de junho, realizarão assembleias para avaliarem a proposta em conjunto com os trabalhadores.

Veja também ! O Conselho de Administração da Petrobras aprovou uma nova venda de ações da BR Distribuidora, a participação da estatal brasileira passará a ser menor que 50%, o que a tiraria da condição de acionista majoritária.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Click Petróleo e Gás.

Renato Oliveira

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)