Petroleira Enauta interrompe produção no campo de petróleo Atlanta por danos em equipamentos

Flavia Marinho
por
-
20-11-2020 14:17:36
em Petróleo, Óleo e Gás
Petroleira Enauta interrompe produção no campo de petróleo Atlanta por danos em equipamentos Petroleira Enauta interrompe produção no campo de petróleo Atlanta por danos em equipamentos

Enauta é uma das principais empresas de controle privado do setor de exploração e produção no Brasil. A petroleira é operadora do Campo de Atlanta com 50%

Equipamentos do FPSO Petrojarl I apresentaram anormalidades e por medida de segurança, a petroleira brasileira Enauta resolveu suspender e paralisar a produção no campo de Atlanta. Procurando emprego? Cadastro de currículo offshore em muitas funções na empresa brasileira de perfuração Perbras para vagas em Macaé, Bahia e Espírito Santo

Leia também

Segundo informações da empresa, foram encontradas corrosões em aquecedores de óleo, que poderiam ter seu funcionamento comprometido em função dessa situação.

A Enauta está analisando com assessores técnicos e a operadora do FPSO, a Altera Infrastructure, quais as medidas necessárias para retomar a operação da área de forma segura. As empresas ainda não divulgaram um prazo para o retorno da produção.

A petroleira brasileira é operadora do Campo de Atlanta com 50% de participação, mesmo percentual detido pela Barra Energia. A Enauta é uma das principais empresas de controle privado do setor de exploração e produção no Brasil.

Petroleira Enauta considera encerrar operações no Campo de Atlanta após sócia abandonar ativo

A petroleira Enauta informou em 03 de novembro, através de fato relevante, a notificação de que sua sócia Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás, vai sair definitivamente da parceria para exploração offshore do Bloco BS-4, onde está localizado o Campo de Atlanta, na Bacia de Santos.

Enauta avaliará até o dia 28 de novembro de 2020 se assumirá a participação da Barra Energia no Campo ou procederá ao abandono conjunto.

Uma eventual devolução conjunta do Campo não ocorreria de imediato. O Sistema de Produção Antecipada continuaria operando enquanto fosse viável economicamente.

A Enauta declarou que já vinha revisando o projeto com o objetivo de torná-lo mais robusto e resiliente a novos cenários de preços de petróleo, gerando maior valor para os acionistas. “Com a notificação da Barra Energia, esse estudo será acelerado e embasará a decisão da companhia”, afirmou em nota Décio Oddone, presidente da Enauta.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.