Petrobras comprará 38 árvores de natal molhadas para o campo de Búzios

Flavia Marinho
por
-
14-07-2020 15:17:42
em Petróleo, Óleo e Gás
Petrobras comprará 38 árvores de natal molhadas para o campo de Búzios Petrobras comprará 38 árvores de natal molhadas para o campo de Búzios

As encomendas das árvores de natal devem ser feitas até o fim do ano pela Petrobras, que demandará também outros itens subsea

O campo de Búzios na Bacia de Santos demandará 38 árvores de natal Molhadas (ANM’s) e a Petrobras prepara a licitação para que as principais empresas do setor possam participar do certame. Equinor concede a MDE Group contrato na construção do maior FPSO do Brasil.

Leia também

O certame conta com uma novidade: agora as empresas vencedoras ficarão responsáveis também pela instalação dos equipamentos até a fase de entrada em operação.

O processo licitatório pela Petrobras deverá acontecer até o final do ano e agitará o setor, não só pela quantidade, mas também pela possibilidade que as empresas terão de desenvolver ferramentas para a operação destes equipamentos.

Esta nova possibilidade, porém, está sendo criticado pelo mercado que teme o aumento do preço das propostas pois caso as ferramentas não sejam usadas, as empresas incluam o custo de depreciação das mesmas e também caso não consigam vencer outros contratos e reaverem o investimento.

A Petrobras prevê também a encomenda, nos próximos meses, de outros equipamentos subsea tais como: dutos flexíveis e cabeças de poço.

Origem do nome árvores de natal

O nome árvores de natal surgiu na década de 1930, quando habitantes de províncias petrolíferas terrestres, nos EUA, associaram o equipamento (que estava coberto de neve) a um pinheiro de Natal.

Com a exloração dos primeiros poços submarinos na década de 60, o termo ganhou o adjetivo “molhada” quando passou a ser instalada no fundo do mar.

O equipamento é um conjunto de válvulas operadas remotamente, que controlam o fluxo dos fluidos produzidos ou injetados no poço.

Petrobras elimina riscos de corrupção e vai poder voltar a receber investimentos da Noruega

 A Petrobras declarou ontem, no início da noite, em seu portal de notícias que a empresa voltou a estar elegível para receber investimentos do KLP, o maior fundo de pensão da Noruega, que possui um patrimônio total de R$430 bilhões.

A ação do fundo foi tomada depois que a Petrobras conseguiu reduzir significantemente os riscos de corrupção depois dos imbróglios da operação lava-jato da Polícia Federal.

A boa notícia veio em forma de comunicado feito pelo Fundo que destacou que a companhia fortaleceu significativamente sua governança nos últimos anos, de forma a reduzir os riscos de corrupção dentro da empresa.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.