Nove sondas marítimas ainda estão sem contrato no Brasil

Sondas sem contrato no Brasil

Sondas marítimas sofrem com a baixa demanda e o mercado busca alternativas para tentar aumentar a taxa diária de afretamento

Conforme o Click Petróleo e Gás divulgou na última terça-feira (02/04), a Brasileira Petroserv e italiana ENI assinaram uma carta de intenção para o afretamento da sonda semissubmersível Catarina.  O fato não amenizou o mercado de sondas marítimas no país.
O equipamento é uma das nove sondas em águas brasileiras que estão sem contrato, além da lpha Star, Atlantic Star, Gold Star e Lone Star, da QGOG Constellation, do navio-sonda Carolina (Caroline Marine/ Ventura Petróleo) e as semissubmersíveis Norbe VI (Ocyan), Pantanal (ICBCL), e Victoria (Petroserv).

Dados da Marinha do Brasil

Segundo a Marinha do Brasil existem hoje 36 sondas marítimas no país, sendo 18 semissubmersíveis, 14 navios-sonda e quatro autoelevatórias que já foram descomissionadas: America I, America III e America IV (antigas P-I, P-III e P-IV) e North Star I, da Schahin Engenharia.
Deste total, 5 sondas pertencem á Petrobras: as semissubmersíveis P-IX, P-XII, P-XV, P-XXV e o navio-sonda Vitória 10000.

Dezessete unidades estão afretadas, sendo 11 navios-sonda e seis semissubmersíveis de perfuração, alguns dos quais em operação, como a Laguna Star, que perfura no campo de Atlanta para a Enauta, a Petrobras 10000 á serviço da Petrobras no bloco BM-SEAL-4 e a West Saturn, trabalhando para a Equinor perfurando o Norte de Carcará.

Neste grupo ainda incluem-se os equipamentos especializados em intervenção de poços (WSVs) Siem Helix I e Siem Helix II, que prestam serviços á Petrobras, e que a marinha classifica como navios sonda.

Apesar da ociosidade destas nove sondas no brasil, o número de sondas no mar em todo mundo deve subir 10% até o próximo ano.
O que representará, em todo mundo, 410 jackups, semissubmersíveis e navios-sonda em atividade, segundo estudo do Westwood Global Energy Group.

Estima-se que, até 2020, 54 jackups, 13 navios-sonda e cinco semissubmersíveis entrarão no mercado.
Apesar do aumento, 230 unidades já deixaram de operar deste 2014, mas mesmo assim existe o saturamento devido a entrega de 163 novas sondas por estaleiros do mundo.

Com a baixa demanda por sondas, a atual taxa média de utilização é de 54%, será necessário diminuir a frota para que as taxas aumentem, segundo dados da Westwood em análise publicada nesta quarta-feira (3/4).

Vocês viram que a Petrobras finalmente mostrou resultados positivos e com fortes perspectivas de crescimento ? Acesse aqui e leia a matéria !

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)