Nove poços de petróleo no pré-sal da Bacia de Campos foram licenciados ontem pela Shell

Nove poços de petróleo e gás no pré-sal da Bacia de Campos foram licenciados ontem pela Shell

As campanhas  de exploração dos blocos de petróleo do pré-sal na Bacia de Campos, estão previstas para acontecer entre 2022 e 2024.

Mais 9 novos poços exploratórios de petróleo e gás no pré-sal da Bacia de Campos, foram licenciados pela petroleira Shell nesta ultima sexta-feira, 14 de fevereiro. Os novos blocos ficam localizados na área C-M-659 e C-M-713. Multinacional do petróleo com sede em Macaé, contrata profissionais para atividades onshore

Leia também

Os poços  de petróleo e gás que foram arrematados pela Shell  na 16ª rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP), tiveram seu processo de licenciamento no Ibama aberto logo após a assinatura dos contratos de concessão na manhã de sexta (15) na sede da agência.

Com até 6 poços exploratórios de petróleo e gás licenciados na área do bloco C-M-659 do pré- sal da Bacia de Campos, a petroleira Shell poderá realizar também até quatro testes de formação.

No bloco C-M-713 a petroleira poderá perfurar três poços exploratórios e prevê a possibilidade de executar até dois teste de formação no mesmo.

As campanhas de exploração dos blocos de petróleo e gás estão previstas para acontecer entre 2022 e 2024, onde a companhia irá alocar sua base logística para dar suporte a mesma entre o Rio de Janeiro, Niteróis, São João da Barra ou Vila Velha.

O Ibama concedeu a petroleira Shell no segundo semestre do ano passado a licença para a perfuração de até três poços exploratórios no bloco Alto de Cabo Frio Oeste, no pré-sal da Bacia de Santos.

A companhia arrematou o campo de petróleo Alto de Cabo Frio Oeste na terceira rodada de licitações do pré-sal, realizada em 2017.

Shell é a operadora da área, com 55% de participação, e tem como sócias CNOOC (20%) e QPI (25%).

Foi utilizado para a perfuração do poço de Gato do Mato, também no pré-sal (2ª rodada de partilha), e um poço produtor em Argonauta (BC-10), no Parque das Conchas, Bacia de Campos, a sonda Brava Star da empresa Constellation.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Flavia Marinho

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore offshore