Ministério da Economia tem construção civil como modelo na volta ao trabalho

Flavia Marinho
por
-
22-06-2020 14:58:23
em Indústria e Construção Civil
Ministério da Economia tem construção civil como modelo na volta ao trabalho

Em meio a pandemia, o setor de construção civil opera a todo vapor com 93% da capacidade produtiva, atuando com proteção, testes e monitoramento

Construção civil se torna exemplo de retomada nas atividades produtivas do Brasil quando a curva de contaminação por Coronavírus decrescer, informa o ministro da Economia, Paulo Guedes, juntamente com outros ministérios do governo federal. Confiança da indústria no Brasil aumenta após afrouxamento nas medidas de quarentena

ANÚNCIO

Leia também

De acordo com Guedes, a construção civil – um setor essencial para a economia do país e que não paralisou durante a pandemia, é o modelo a ser seguido

Ele acrescenta que, ao saber controlar o ritmo de operação dos canteiros de obras, a construção civil teve uma taxa de contaminação baixíssima na comparação ao volume de trabalhadores envolvidos.

Para o ministro, a construção civil soube se proteger, citando que o setor opera com 93% da capacidade produtiva. Os dados são da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, a CBIC. “O setor soube proteger, testar, monitorar e tratar, reduzindo drasticamente os contágios”, afirma.

Desde o início da epidemia no Brasil, 10 trabalhadores da construção civil morreram em função da COVID-19, em um universo de 2 milhões de pessoas que atuam com carteira assinada, e diretamente no segmento.

O levantamento mostra que todas as obras de construção dos estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste estão em andamento, assim como Amapá e Amazonas, na região norte.

Na região nordeste, a Paraíba está dividida. Os únicos estados em que as obras estão totalmente paradas são Piauí e Sergipe. Em contrapartida, Alagoas, Rio Grande do Norte e Maranhão operam com 100% na construção civil, enquanto Bahia e Ceará retomaram as atividades no começo de junho.

Segurança no trabalho na construção civil

Guedes defende que o retorno seguro as atividades seja segmentado. “Não vai ser todo mundo ao mesmo tempo. Será por unidades geográficas. Nas regiões com maior densidade demográfica, o risco de contágio é maior. Então tudo isso vai ser examinado, com base em relatórios. Quando a saúde permitir, e der o sinal de que está na hora de avançar, avançaremos”, afirma o ministro.

Ana Cláudia Gomes, presidente da comissão de responsabilidade social da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), revela porque os protocolos de segurança da construção civil se tornou modelo para o governo federal.

“As entidades de classe da construção civil e as empresas estão indo além das medidas protetivas e sanitárias estabelecidas. Elas se preocupam também com o trabalhador no trajeto de volta ao lar e com ele no contato com sua família”, revela.

Vale lembrar que bem antes da pandemia se instalar no Brasil, a segurança no trabalho é lei dentro da construção civil. A presença de trabalhadores no canteiro só é permitida mediante o uso adequado de equipamentos individuais de proteção (EPIs).

Por isso, objetos como máscara, luvas, óculos de segurança e capacete não são novidades para quem atua em obras. É o que permite ao trabalhador do setor sair na frente no que se refere à proteção contra a COVID-19.


⇒ Participe dos nossos grupos do Telegram e fique atento a todas as notícias do mercado de energia, empregos, projetos e outros assuntos microeconômicos do Brasil. Nossas informações sempre são direto das fontes e atualizadas. Acesse o Nosso Telegram aqui.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.