Investimentos de R$ 1,2 bilhão das construtoras Bild e Vitta vão gerar quase 10 mil vagas de emprego diretas e indiretas na área da construção civil em Uberlândia, MG

construção - empregos - São Paulo - obras - investimentos vagas de emprego em obras de construção civil




MG receberá investimento bilionário das construtoras Bild e Vitta e vai gerar muitas vagas de emprego para os profissionais da construção civil, entre outras

Atenção profissionais da construção civil, manutenção, logística, administrativos, entre outros: as construtoras Bild e Vitta vão investir R$ 1,2 bilhão em Uberlândia até 2024, o que representa cerca de R$ 400 milhões por ano em média. Os novos investimentos prometem gerar quase 10 mil vagas de emprego para as obras de 24 empreendimentos em prédios de alto padrão e edifícios populares. 

Leia também

Presente na cidade desde 2019, o grupo já lançou sete edifícios residenciais: quatro de médio e alto portes e três de padrão econômico. “A previsão é de que sejam geradas 4,7 mil vagas diretas de emprego e mais 4 mil indiretas para atender simultaneamente quase 20 canteiros de obras. A gente quer chegar em 2024 com 600 funcionários diretos da empresa, hoje nós estamos com quase 200 funcionários”, revela o sócio regional Michael Teixeira do Nascimento.

O Grupo passou a ter uma expansão mais agressiva em 2017 e marca presença em mais de 11 cidades paulistas, como São Paulo, Campinas, Araraquara, Bauru, Franca, além de Londrina, no Paraná, e nas cidades mineiras de Uberlândia e Uberaba. 

De acordo com Michael, a empresa mantem presença em Uberlândia por entender que seria uma cidade estratégica, por sua ligação com Goiás e São Paulo. São 700 mil habitantes e um mercado imobiliário com muita demanda e pouco explorado. Em Minas, Belo Horizonte também está no radar, mas sem previsão ainda. A empresa também pretende investir em outros estados, como Mato Grosso e Goiás.

Apesar da pandemia, mercado imobiliário e construção civil permaneceram aquecidos e geraram vagas de emprego no país

O mercado imobiliário se manteve aquecido mesmo diante da pandemia da Covid-19. Os financiamentos para a aquisição de um imóvel pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) somaram R$19,66 bilhões no segundo trimestre de 2021, recorde não registrado desde 1994. Isso representa 86,2 mil imóveis neste ano.

Segundo Michael Teixeira do Nascimento, a construção civil não parou em momento algum. O mercado da construção civil foi muito favorecido, gerou muito emprego, sempre com alta demanda. “As pessoas ficaram muito tempo dentro de casa e passaram a valorizar mais a casa que tinham. Paralelamente, a taxa Selic estava muito baixa, renda fixa despencou, renda variável oscilou. Isso assustou muito as pessoas que tinham dinheiro guardado e elas passaram a pensar em comprar imóveis ou reformar a casa”.

O desafio para 2022 é conseguir manter os investimentos e as vendas. O sócio regional das construtoras Bild e Vitta afirma que, com a alta da taxa Selic, os bancos já estão reajustando os juros de financiamentos em até 10%. Atualmente, 80% a 90% dos imóveis são vendidos por meio de financiamentos.

“Vamos começar a viver esse novo cenário em 2022. Temos que ver como os clientes vão se comportar. As taxas de juros vão ser uma problemática para vários setores, desacelerando muita coisa que está prevista. A gente vai ter que sentir conforme o mercado’’, concluiu.


Sites Parceiros

Publicidade




Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.