Início Indústria: Com chegada do inverno, o óleo de aquecimento está entre as ‘commodities’ que tiveram maior alta de junho! Aumento foi de 20% em escala mundial em um mês com alta anual de 106,47%

Indústria: Com chegada do inverno, o óleo de aquecimento está entre as ‘commodities’ que tiveram maior alta de junho! Aumento foi de 20% em escala mundial em um mês com alta anual de 106,47%

20 de junho de 2022 às 05:07
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Indústria: Com chegada do inverno, o óleo de aquecimento está entre as ‘commodities’ que tiveram maior alta de junho! Aumento foi de 20% em escala mundial em um mês com alta anual de 106,47% - Canva
Óleo de aquecimento tem alta de 102% no ano – Canva

O inverno chega ao Brasil no dia 21 de junho, na terça-feira. Entretanto, nos Estados Unidos, a estação está chegando ao fim! Tendo isso em vista, os preços do óleo de aquecimento enfrentam disparos com o dobro dos preços cobrados em 2021.

O óleo de aquecimento está na lista de ‘commodities’ com a maior variação durante o mês de junho. Em suma, a  sua alta acumulada chegou a  20% em apenas um mês vem estabilizando o setor. Além disso, durante esta segunda-feira, 20 de junho, um dia antes da chegada  do inverno no Brasil, o contrato futuro avançou com a alta de 1,2%. Indústria é prejudicada.

Enquanto isso, algumas ‘commodities’ acompanham quase a mesma porcentagem, mas de queda. O algodão de número 2 teve queda acentuada, em apenas um mês, de quase 20% e tende a apresentar preços ainda menores dentro de alguns meses, tudo dependerá das decisões tomadas pelo presidente Putin sobre a guerra entre a Rússia e a Ucrânia. 

Artigos recomendados

Além disso, é crucial salientar que a alta anual do óleo de aquecimento chegou a um dos valores mais altos da história para o ramo, a 106,47%. Analistas arriscam dizer que o aumento foi ocasionado pela guerra entre a Rússia e a Ucrânia enquanto outros afirmam que a pandemia da Covid-19 tende a diminuir a produtividade da indústria. E, assim sendo, permitir que haja uma redução de produção enquanto a demanda pelo produtivo continuam aumentando, assim sendo, os preços tendem a disparar. 

Óleo de aquecimento  e a economia 

Conforme a matéria publicada em janeiro pelo portal do Gazeta News, a população dos Estados Unidos foi uma das que mais sofreram durante este ano com alta acumulada do óleo de aquecimento devido aos aquecedores nas regiões geladas do país. O uso do óleo no Brasil não é tão comum como acontece nas casas norte-americanas. 

Na região centro oeste dos Estados Unidos, é estimado que o valor da alta tenha chegado a 45% durante o inverno, devido ao aumento expressivo das buscas. As empresas não conseguiram segurar os preços alavancados das ‘commodities’ e isso impactou diretamente no bolso dos consumidores. 

Ritmo de instabilidade na Indústria

As ‘commodities’ estão enfrentando ritmo de instabilidade devido à oferta e demanda.  Algumas caíram demais enquanto outras aumentaram até ponto de dobrar de preços pela elevada busca e baixa oferta. 

O setor de aquecimento não foi o único prejudicado com esta variação. Há alguns dias, surgiu a notícia na mídia de que Elon Musk estaria cogitando demitir ao menos 10% de seus colaboradores ao ter crenças negativas sobre o mercado de automóveis e semicondutores pela falta de metais no mercado para a produção de baterias para os seus carros elétricos. A notícia foi anunciada depois do vazamento de um e-mail corporativo entre o empresário e seus colaboradores de alto escalão. 

A madeira serrada, um dos itens cruciais para a construção civil, também está com alta acentuada tendo em vista uma comparação com os seus preços do ano de 2020. Atualmente, está sendo cotada a mais de US$ 500 enquanto há dois anos estava a US$ 250. Apesar disso, sua queda durante o último ano chega a 32%. 

Inúmeros setores, devido à inflação mundial provocada desde o ano de 2020, estão sofrendo com estagnação e diminuição de investimentos devido aos preços elevados das ‘commodities’. Desta forma, os consumidores acabam tendo que pagar a mais para a compra de produtos primários. 

Relacionados
Mais recentes