Índia tem interesse em comprar divisão comercial da Embraer

Valdemar Medeiros
por
-
11-10-2020 08:50:23
em Economia, Negócios e Política
Índia - Embraer Sede da Embraer


O interesse da índia na Embraer foi revelado por um funcionário ao jornal Business Standard, a negociação envolveria vínculos com um fundo soberano indiano  

O governo indiano está interessado em adquirir a divisão comercial da Embraer, revelou o jornal Business Standard. Citando um alto funcionário do governo, a publicação disse que a Índia estaria “muito interessada” no negócio, originalmente fechado pela empresa brasileira com a Boeing.

Leia também

O interesse da Índia na Embraer foi revelado em maio pela Reuters, e logo depois confirmado pela própria empresa, que também citou a China como outro possível parceiro. Mas, na época, o governo indiano não se pronunciou oficialmente sobre o assunto.  

“Estamos muito interessados. Estamos explorando alternativas”, disse o governador da Índia, que reconheceu que o governo brasileiro já se comunicou sobre o assunto.

O funcionário também disse que a compra será financiada por meio do fundo soberano da Índia, o Fundo Nacional de Investimento e Infraestrutura. O responsável admitiu o risco de um acordo como este num período de tantas incertezas, mas argumentou que não existe essa oportunidade no mercado da aviação.

Embraer teve queda no seu  valor de mercado

Outro aspecto que torna a Embraer interessante é a queda em seu valor de mercado, que se intensificou após a pandemia do coronavírus. Os indianos podiam pagar um preço bem inferior ao oferecido pela Boeing, de US $ 4,2 bilhões por 80% da divisão de aviões comerciais, mesmo em um momento em que a fabricante brasileira gozava de saúde financeira.

Indústria de aviação da índia

A Índia fabrica aeronaves há muitos anos, mas sem qualquer papel de liderança. A empresa mais importante do setor é a HAL (Hindustan Aeronautics Limited), fundada em 1940 e pertencente ao governo indiano.

A empresa já produziu vários modelos sob licença, incluindo aeronaves russas e europeias. A HAL também desenvolveu algumas aeronaves próprias, como o helicóptero de ataque LCH, o caça Tejas e o Saras , turboélice regional que lembra o Embraer CBA-123 Vector . Nenhum deles, porém, alcançou grande projeção.

Com a segunda maior população do mundo, a Índia passou por uma expansão no transporte aéreo nos últimos anos e está listada como um dos maiores mercados do mundo, o que seria um atrativo para a Embraer. Com base no país, a empresa também poderia explorar a região com mais eficácia do que hoje. A experiência fracassada com a Boeing, no entanto, pode tornar o negócio mais complexo. A Embraer acabou pagando caro pela preparação da joint venture Boeing Brasil Commercial.

Além disso, pode haver uma possível relutância por parte do governo brasileiro em permitir o controle do fabricante nas mãos de outro país. Antes uma empresa estatal, a Embraer ainda tem ações de veto nas mãos do governo.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.