Hidrovias do Brasil fecha acordo para construção de empurradores elétricos de navios no Estaleiro Belov, na Bahia

Valdemar Medeiros
por
-
19-04-2021 11:34:35
em Indústria Naval, Portos e Estaleiros
Bahia - navios - hidrovias - Estaleiro Empurrador de navio elétrico do Amazonas – Fonte: Gov.

Pensando e impulsionar a construção naval brasileira, Hidrovias do Brasil fecha um novo acordo para construção de empurradores elétricos de navios junto ao estaleiro Belov da Bahia

A Hidrovias do Brasil fechou um novo contrato com a Belov Engenharia para a construção de dois empurradores elétricos de navios no estaleiro da empresa, na Bahia. Segundo a Hidrovias do Brasil, o uso dessa tecnologia em empurradores de navios será diferente de tudo já apresentado em nível mundial, e tem expectativa de reduzir a emissão de gases poluentes.

Leia também

Respectivamente, as unidades estão previstas para ser entregues em setembro e dezembro de 2022. A companhia tem planos de, aos poucos, substituir seus empurradores de navios no estaleiro da Bahia, comuns pelos modelos elétricos e mais sustentáveis.

Empurradores elétricos e a sua eficiência no mercado

A tecnologia propõe a redução na emissão de gases, por meio da geração híbrida com baterias elétricas, que substituirão a propulsão convencional à diesel, nos estaleiros. Mesmo com a substituição, os empurradores de navios, no estaleiro da Bahia, não irão perder a eficiência e têm uma possibilidade de um melhor aproveitamento de energia elétrica renovável.

A expectativa do uso desses novos modelos, da Hidrovias do Brasil é que sejam reduzido as emissões de aproximadamente 2.168 toneladas de dióxido de carbono (CO2) por ano. As embarcações construídas no estaleiro da Bahia serão batizadas de Poraquê e Enguia, nomes de peixes encontrados na região Amazônica, e terão a DNV como certificadora e a Weg como integradora.

Palavras da Hidrovias do Brasil

Segundo Mariana Yoshioka, diretora de inovação e engenharia da Hidrovias do Brasil, o modelo atuará de maneira sustentável e bastante significativa para o transporte hidroviário. Os estudos sobre o modelo, que será construído na Bahia, começaram em 2018 e o projeto foi finalizado no ano passado.

Segundo ela, a escolha de empurradores para esse projeto para transição da energia limpa foi por conta de serem navios que são usadas constantemente com maior tempo de emissão de gases. Além disso, são embarcações que atuam em proximidades dos portos e da população. Ela afirma também que o empurrador poderá ser usado de forma 100% elétrica, sem usar diesel em nenhuma dessas operações de ciclos curtos.

A construção no estaleiro Belov, na Bahia

De acordo com Juracy Vilas-Bôas, sócio-diretor da Belov Engenharia, o contrato para construção das embarcações é um grande impulso para a empresa investir em suas instalações, na Bahia, para a construção de outras embarcações.

Segundo ele, a empresa aceitou o desafio de construir os primeiros barcos com propulsão do tipo hidrojato do mundo. Agora, irá fazer os primeiros empurradores elétricos do planeta.

Belov Engenharia

Fundada em 1981, a Belov Engenharia oferece a seus parceiros experiência nos mais diversos campos na Engenharia Portuária e Subaquática. Ao longo dos anos, vem desenvolvendo e apresentando a seus clientes técnicas e soluções inovadoras.

O trabalho da Belov engloba a concepção e construção de portos para grandes navios, obras de recuperação estrutural (inclusive submersas), atividades subaquáticas de inspeções, serviços de mergulho, solda submarina, construções subaquáticas complexas, engenharia e serviços offshore diversos, de ROV e de hidrografia.

Seus engenheiros, técnicos, mergulhadores e pilotos de ROV são peritos em projetos, execução, consultoria e assessoria em obras e serviços de sua especialidade.

A sua base no Rio de Janeiro, com 180.000 m² de área, é dedicada principalmente à indústria de óleo e gás, atuando nos campos de petróleo Offshore, com foco em serviços de engenharia, inspeção e manutenção, atendendo de forma sólida a este exigente mercado.

Já a sua filial na Bahia, localizada no local mais abrigado na Baía de Todos os Santos, possui uma área de 70.000 m², com toda a infraestrutura para atender às demandas de suas obras portuárias, subaquáticas, estruturas metálicas pesadas, assim como fabricação de jaquetas e módulos para unidades de exploração e produção de petróleo. Nesta filial, fica também sua divisão de máquinas, equipamentos e embarcações diversas.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.