Estado do Paraná recebeu em dois dias quase 3 bilhões de reais em investimentos: R$ 2,6 bilhões da Klabin; R$ 292 milhões da BRF e R$ 55 milhões da Gerdau

Roberta Souza
por
-
10-05-2021 16:34:10
em Economia, Negócios e Política
Paraná – Klabin – BRF - Gerdau Bandeira do Paraná e logo das empresas que realizaram investimentos no estado/ Fonte: Reprodução

Os investimentos no Paraná foram destinados à instalação de máquina de papel (Klabin), modernização de plantas (BRF) e retomada de produção (Gerdau)

Na última semana, o estado do Paraná recebeu cerca de R$ 3 bilhões em investimentos. A divisão foi feita da seguinte maneira: R$ 2,6 bilhões da Klabin, que serão destinados para instalação de uma máquina de papel cartão no projeto Puma II; R$ 292 milhões da BRF, para modernizar e ampliar suas unidades no estado, e, por último a Gerdau, com aporte de R$ 55 milhões para reativar a sua unidade de produção de aço. Nova usina de biodiesel da Oleoplan poderá ser instalada no Pará, com investimentos de R$ 148 milhões e possibilidade de geração de mais de 50 vagas de emprego

Investimentos da Klabin, BRF e Gerdau no Paraná

Klabin irá investir R$ 2,6 bilhões no projeto Puma II, em Ortigueira, no Paraná

A Klabin, empresa líder no segmento de papel e celulose, divulgou que irá investir mais de R$ 2,6 bilhões no Projeto Puma II, localizado no município de Ortigueira, nos Campos Gerias, estado do Paraná. O maior investimento da Klabin é o Projeto Puma II, que futuramente irá contar com duas máquinas de papel, sendo que a 1ª máquina (com capacidade de 450 mil toneladas/ano) está prevista para ser entregue ainda neste ano. Já a 2ª máquina de papel (com capacidade de 470 mil toneladas / ano), tem previsão para ser entregue em 2023.

Com mais estes investimentos que a Klabin anunciou, no Paraná, o empreendimento já totaliza quase R$ 12,9 bilhões, sendo considerado o maior investimento da história da Klabin. A máquina de kraftliner que será instalada no Projeto Puma II tem início previsto para a segunda quinzena de julho deste ano e a MP28 (segunda máquina) tem previsão para começar a operar no segundo trimestre de 2023, no qual a máquina terá como foco o atendimento ao mercado de papel-cartão.

BRF irá aplicar aportes de quase R$ 300 milhões para modernizar e ampliar suas unidades

A BRF, dona das marcas Sadia, Perdigão, Qualy e outras, havia anunciado que irá aplicar aportes de R$ 292 milhões no Paraná, no qual inúmeras vagas de emprego devem ser geradas. Os investimentos anunciados pela companhia serão destinados à ampliação e modernização de suas unidades. Outra novidade importante da BRF será a retomada de produção de perus na cidade de Francisco Beltrão, após a planta ter recebido autorização para realizar a exportação ao México.

Lorival Luz, CEO da BRF, diz que a companhia tem uma forte presença no estado do Paraná, onde gera cerca de 18.500 vagas de forma direta e conta com mais de 2.000 produtore,s por meio de integração. Lorival ainda ressalta que a BRF pretende proporcionar ao Paraná mais empregos, sempre avançando na agenda da empresa que possui visão de crescimento até 2030.

Gerdau aplicará investimentos de R$ 55 milhões para retomada da produção de aço em Araucária

A Gerdau anunciou, recentemente, que irá reativar a produção de aço em Araucária, no estado do Paraná. A unidade da Gerdau, que estava atuando com as atividades reduzidas desde o ano de 2015, contará com aportes de R$ 55 milhões e deve gerar muitas vagas de emprego de forma direta e indireta.

Os aportes da Gerdau na unidade de Araucária, no Paraná, foram grandes, tendo uma usina de aço voltando a funcionar até o segundo semestre. A tendência é que cerca de 300 novas vagas de emprego sejam criadas. A unidade da Gerdau, no estado do Paraná, tem a capacidade de produzir, anualmente, cerca de 420 mil toneladas de aço. 

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos