Klabin investirá mais de R$ 2,6 bilhões no Projeto Puma II, no Paraná. Cerca de 1.500 empregos serão gerados com as operações

Roberta Souza
por
-
06-05-2021 15:27:01
em Economia, Negócios e Política
Paraná – Klabin – empregos Foto aerea do Projeto Puma II da Klabin, na cidade de Ortigueira, no Paraná/ Fonte: Klabin

Localizada em Ortigueira, no Paraná, a Klabin vai destinar mais investimentos ao projeto Puma II. O aporte total chegará a R$ 12,9 bilhões, com previsão de gerar muitos empregos

A Klabin anunciou, ontem, que irá investir mais de R$ 2,6 bilhões no Projeto Puma II, localizado no município de Ortigueira, no estado do Paraná. O Projeto Puma II é o maior investimento da Klabin, que contará com duas máquinas de papel, sendo a 1ª máquina (com capacidade de 450 mil toneladas/ano) prevista para ser entregue ainda neste ano. Já a 2ª máquina de papel (com capacidade de 470 mil toneladas / ano) está prevista para ser entregue em 2023. Muitos oportunidades de emprego serão geradas, de forma direta e indireta, quando entrar em operação.

Investimentos da Klabin no estado do Paraná

Cristiano Teixeira, diretor-geral da Klabin, diz que, durante o último ano, a empresa fez uma avaliação minuciosa sobre as tendências e as condições de mercado para chegar a uma conclusão. O diretor-geral ainda ressalta que o setor de papéis para embalagens tem um enorme potencial de crescimento e prevê que o papel-cartão seja a possibilidade de gerar ainda mais valor à Klabin, reforçando o modelo de negócio da empresa, que é integrado, diversificado e flexível.

Já Carlos Massa Ratinho Junior, governador do estado do Paraná, diz que o estado recebe essa notícia de mais investimentos da Klabin no estado com um grande entusiasmo, pois a empresa é uma grande parceira do Paraná, com mais 10.000 empregos gerados de forma direta e indireta. Ratinho Junior ainda cita o fato de que, mesmo estando em uma pandemia, a Klabin realiza investimentos, o que gera mais desenvolvimento econômico para a região.

Aportes da Klabin no projeto Puma

A planta do projeto Puma fica localizada nos Campos Gerais, no município de Ortigueira, estado do Paraná. O projeto receberá aporte de R$ 2,6 bilhões, destinado à instalação de uma máquina de papel-cartão e não mais a kraftliner (inicialmente previsto).

Com mais esse investimento anunciado pela Klabin, no Paraná, o empreendimento já totaliza cerca de R$ 12,9 bilhões, considerado o maior investimento da história da Klabin. A máquina de kraftliner tem início previsto para a segunda quinzena de julho deste ano e a MP28 (segunda máquina) deve passar a operar no segundo trimestre de 2023, com foco no atendimento ao mercado de papel-cartão.

Sobre o Projeto Puma da Klabin

O Projeto Puma I no Paraná foi projetado com o objetivo de dobrar a capacidade de produção da Klabin, em um período de três anos. A Unidade Puma, fruto do Projeto Puma I, teve um investimento total de R$ 8,5 bilhões, destinados à construção da fábrica, que foi inaugurada no ano de 2016 e consagrada como maior empreendimento privado do Paraná até então.

A unidade em Ortigueira, no Paraná, é autossuficiente na geração de energia elétrica, com capacidade de 270 MW de eletricidade (120 MW são utilizados pela Klabin e os outros 150 MW são disponibilizados no sistema elétrico brasileiro). Em comparação, a eletricidade gerada é suficiente para abastecer uma cidade de 500 mil habitantes,

O Projeto Puma II terá duas etapas de expansão até o ano de 2023, contando com a construção de duas inovadoras máquinas de papel (já citadas acima). O projeto fará com que a Klabin seja a primeira companhia a produzir o papel Eukaliner em todo o mundo. No projeto localizado no Paraná, cerca de 9.000 empregos foram gerados durante as obras e 1.500 serão gerados, de forma direta e indireta, quando a unidade Puma II começar a operar. 

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos