Preço da gasolina pode disparar e etanol entrar em falta por causa da escassez de álcool anidro; desabastecimento vai impactar ainda mais o bolso dos brasileiros

Flavia Marinho
por
-
10-05-2021 14:57:09
em Usina e Agronegócio
etanol - preço - gasolina - usinas - GNV - combustível - álcool - petrobras Frentista em posto de combustível Petrobras / Fonte: Reprodução – Google

Escassez de álcool anidro pode disparar o preço dos combustíveis, causar desabastecimento de etanol e postos de gasolina devem repassar aumento ao consumidor

Isenção dos impostos PIS e Cofins para combustíveis chegou ao fim na semana passada e os empresários do ramo não ficaram nem um pouco satisteitos. Na época, a medida foi criada para conter as disparadas do preço da gasolina e do diesel aplicadas pela petroleira Petrobras. Agora, surge uma nova preocupação para os empresários: a escassez do álcool anidro. A falta do insumo pode disparar o preço dos combustíveis e causar desabastecimento de etanol nos postos, e no final vai sobrar para o bolso dos brasileiros.

Leia também

De acordo com André Marra, proprietário de postos de gasolina em SP, o aumento nos compostos vai impactar o bolso do consumidor, uma vez que os postos não conseguem absorver os aumentos sozinhos e por isso precisam repassar o preço.

“Os importadores e os produtores de combustíveis são obrigados a informar à própria ANP o preço deles de aquisição e de venda. No meio do caminho nós temos as distribuidoras, que por algum motivo não são obrigadas a informar nem a aquisição e nem o preço de venda. Nós, postos, somos obrigados todo o dia a estampar o preço de venda para os consumidores. Eu, como dono de posto, gostaria de ter a oportunidade de também informar não só aos consumidores, mas para a imprensa, para todo mundo, o preço que eu compro os combustíveis”, disse André.

Escassez do anidro tem a ver com o fato de o preço do açúcar internacional estar alto, logo as usinas irão preferir produzir açúcar

O diretor executivo da Associação Brasileira de Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres, Rodrigo Zingales, afirma que a escassez do anidro pode ser um reflexo da atuação do mercado, baseada nos interesses das usinas. “Uma usina de açúcar e álcool está capacitada para produzir açúcar, etanol hidratado e, eventualmente, o etanol anidro. O que acontece é: se o preço do açúcar internacional está alto, a usina vai preferir produzir açúcar ao invés de etanol”, analisa.

Alta demanda pelo biocombustível nos EUA pode salvar usinas brasileiras que chegaram a operar em patamares negativos

​Apesar da safra 2021/2022 de cana-de-açúcar do Brasil, que teve início no mês de abril, ser menor do que a anterior, a demanda por etanol no Brasil deve seguir pressionada neste ano de 2021, ainda em decorrência dos isolamentos da pandemia do coronavírus, segundo estimativas da consultoria StoneX. No entanto, com o menor consumo interno e a alta do milho no mercado norte-americano, há oportunidades para exportação do biocombustível brasileiro para os Estados Unidos, atualmente o principal consumidor do mundo de etanol.

De acordo com o parecer de especialistas no assunto, ainda que o mercado acompanhe o novo ciclo, há informação de entrada forte das usinas no mercado futuro a fim de aproveitarem os altos valores praticados.

Preço do etanol e da gasolina disparam e Petrobras aumenta GNV em 39%

Petrobras anunciou o reajuste em 39% nos preços de venda do Gás Natural Veicular para as distribuidoras. A partir de maio, o GNV, a principal opção para motoristas que circulam muitos quilômetros por dia e fogem do aumento do preço da gasolina e etanol, também vai impactar no bolso dos brasileiros. Porém, mesmo com o reajuste, abastecer com Gás Natural continuará sendo vantajoso, afirma a Copergás.

O GNV se popularizou no Brasil ao ser utilizado por motoristas de aplicativo e taxistas. Isto porque ele tem rendimento melhor e sai mais barato que os combustíveis etanol e gasolina. De acordo com a distribuidora BR, a economia é de 60%, em média.

A opção pelo combustível ganhou força no início deste ano com a disparada da gasolina e do etanol, que somam acumulados de 40,76% e 25%, respectivamente. Enquanto o metro cúbico do GNV sai por R$ 2,984, a gasolina custa R$ 5,328 por litro e o etanol R$ 3,818 em preços para São Paulo medidos pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.