Especialistas afirmam que a China é responsável pelo sucesso do mercado de petróleo na América do Sul

Valdemar Medeiros
por
-
05-01-2021 11:30:17
em Petróleo, Óleo e Gás
China - Petróleo- América DO sul Mercado de petróleo da china

China está alimentando o boom do petróleo na América do Sul, segundo especialistas

A demanda de petróleo da China tem sido um dos poucos pontos brilhantes para uma indústria de petróleo da América do sul ser severamente afetada por um excesso de oferta global de longo prazo e as consequências econômicas da pandemia COVID-19. A fome de energia da segunda maior economia do mundo continua crescendo, apesar da pandemia global de COVID-19 e de um declínio acentuado resultante na atividade econômica global durante 2020.

Leia também

Importações de petróleo de janeiro a novembro de 2020 cresceram 9,1% na América do Sul e China

Dados da Administração Geral das Alfândegas da China mostram importações de petróleo de janeiro a novembro de 2020 cresceu 9,1% ano a ano, para uma média de 13,5 milhões de barris diários.

Os cinco maiores fornecedores de petróleo bruto para a China no período foram Arábia Saudita, Rússia, Iraque, Brasil e Angola. Apesar da demanda global de energia mais fraca, principalmente por causa da pandemia COVID-19 e bloqueios relacionados, espera-se que a demanda de energia da China continue aumentando durante 2021.

Demanda de petróleo não será reduzida, afirmam lideres da China

Mesmo as recentes descobertas de petróleo, estimadas em 1,5 bilhão de barris de petróleo bruto e a crescente produção doméstica de petróleo, não reduzirá a demanda por importações de petróleo na América do Sul. Um dos principais motivos é que, apesar das consequências da pandemia impactando fortemente o desempenho econômico de muitos países ao redor do mundo, a economia da China está voltando a crescer.

O FMI estima que a segunda maior economia do mundo vai se expandir em 1,9% durante 2020 e o produto interno bruto crescerá 8,2% em 2021. Essa notável aceleração econômica levará a um maior consumo de petróleo e gás natural na China, que está trabalhando para obter combustíveis fósseis suficientes para atender à crescente demanda e manter reservas estratégicas.

Durante novembro de 2020, o governo da China aumentou as cotas de importação de petróleo não-estatais para 2021 em 20% e as importações gerais devem aumentar de 6% a 8%, potencialmente ainda maior à medida que a recuperação econômica se acelera. Prevê-se que a China, que é o segundo maior produtor mundial de produtos petrolíferos refinados atrás dos Estados Unidos, poderá se tornar o maior refinador do mundo em 2025 com 20 milhões de barris por dia de capacidade.

Mais investimentos para o Brasil neste ano de 2021

A expectativa do setor é que durante 2021 a capacidade de refino sozinha na segunda maior economia do mundo se expanda quase 3% ano após ano para cerca de 18 milhões de barris por dia. Embora a Rússia e a Arábia Saudita continuem a disputar o primeiro lugar entre os fornecedores de petróleo bruto da China, esta é uma boa notícia para muitos países produtores de petróleo da América do Sul, particularmente o Brasil, que foi severamente afetado pela demanda de petróleo fortemente mais fraca. A China é o maior importador mundial de petróleo bruto e responde por quase metade das exportações de petróleo bruto da América do Sul.

Em setembro de 2020, o Brasil ultrapassou o Iraque para se tornar o terceiro maior fornecedor de petróleo bruto para a segunda maior economia do mundo. Isso pode ser atribuído à atratividade dos óleos brutos médios doces do Brasil, notadamente os de Lula e Búzios, produzidos nos campos do pré-sal do maior produtor de petróleo da América Latina.

Esses tipos de óleo cru possuem características que os tornam altamente atraentes para refinadores para processamento em combustíveis de alto teor de baixo teor de enxofre, especialmente desde a introdução do IMO2020, que reduziu substancialmente o teor de enxofre do combustível marítimo. Como o maior exportador mundial e um importante centro de transporte global, a China é um grande fornecedor de combustíveis marítimos.

O aumento da demanda das refinarias asiáticas por tipos de petróleo doce é um fator chave da expansão do boom do pré-sal no Brasil, bem como sua resistência contínua à severa queda econômica desencadeada pela pandemia e preços de energia fortemente mais fracos.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.