Crise hídrica e política deve frear o ritmo de investimentos no Brasil, avalia FGV

Fábio Lucas
por
-
08-09-2021 13:01:23
em Economia, Negócios e Política
crise hídrica economia investimentos fgv Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Crise hídrica e crise política são os principais fatores que devem frear os investimentos neste ano e início do ano que vem

Muitos brasileiros estavam animados com a retomada da economia após o avanço da vacinação e perspectivas para o fim da pandemia, contudo, as coisas não estão saindo como o esperado. A crise política e hídrica está causando graves danos aos investimentos no país. 

Segundo avaliação feito por especialistas do FGV, a crise hídrica, aliado a crise política, devem frear os investimentos no Brasil pelo menos até o início do ano que vem. 

O Indicador de intenção de investimentos subiu um pouco no terceiro trimestre desde ano, contudo, os setores de serviços com 110,9 pontos e construção, com 103,6 pontos, estão abaixo dos níveis registrados antes da pandemia. O maior número está na indústria, com 129,2 pontos, porém, é menor do que foi registrado no início do ano, 132,8. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante entrevista coletiva. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Contudo, dados do PIB divulgado neste mês pelo IBGE, mostram que os investimentos no país caíram 3,6% em relação ao primeiro trimestre deste ano. A taxa de investimentos registrada de 18,2% está bem abaixo dos 32,9% registrados em países emergentes. Também está abaixo dos 22% de países desenvolvidos. 

Próximos meses deve ser de baixo crescimento

Em consulta feita pelo Estadão, Rodolpho Tobler, responsável pela sondagem de confiança do FGV, a expectativa para os meses seguintes é de um cenário de baixo crescimento. O alto índice de desemprego, inflação e crise hídrica são os principais fatores que justificam uma perspectiva de baixo crescimento econômico

Com a queda do PIB no segundo trimestre deste ano, as perspectivas para o crescimento da economia caíram em torno de 5% para este ano. Contudo, o crescimento da economia para 2022 deve ficar em alto entre 1% e 2%. Essa situação deve reduzir o ritmo de investimentos no Brasil. 

Tags:
Fábio Lucas
Jornalista brasileiro, amo esportes, notícias e política. Já contribui em diversos outros portais relacionados a esportes, economia e informações regionais.
fwefwefwefwefwe