Telha solar com grafeno irá aumentar adeptos à essa modalidade de energia, gerar economia na conta de luz e impulsionar sustentabilidade

CEO da Telite aposta em parcerias internacionais para impulsionar vendas da telha solar com grafeno | Foto: Telite

O Grafeno é um material revolucionário na condução de energia e de dados. A aplicação desse metal em telhados solares, somando outras tecnologias que a empresa carioca Telite vem atuando, são reais potenciais de geração de energia elétrica através da energia solar e sustentabilidade.

De acordo com o CEO da Telite em entrevista exclusiva ao portal CPG, Leonardo Retto, cada pastilha de 3.8 cm de tecnologia da companhia, gera 4.5Kwh mês em sol pleno e 2.8 no tempo nublado ou somente com sensação térmica. Portanto, considerando que a Telha Solar tem 1,90 x 1,10, é possível colocar 50 pastilhas, chegando até 225 KWh de energia solar num mês por telha solar com grafeno.

Ocorre que o grafeno é capaz de se envolver num fenômeno de fricção dos elétrons aplicados na tecnologia, fazendo com que gerem energia também na chuva. Assista à alguns vídeos com o processo de fabricação da Telite a seguir:

Esse material é 200 vezes mais forte que o diamante, um milhão de vezes mais fino que o fio de cabelo e 100 vezes mais condutor de dados que os atuais dispositivos. Ou seja, superior a qualquer material hoje conhecido no mercado. Portanto, a telha solar com grafeno promove uma combinação perfeita de geração de energia com sustentabilidade através da energia solar, que é renovável e limpa.

Telha solar: um produto tecnológico para um futuro sustentável e de todas as classes sociais

A sustentabilidade através de práticas que não afetam negativamente a natureza também contribui na melhoria social entre todas as classes. É esse o conceito de sustentabilidade que deve ser alcançado pelos países ligados às Nações Unidas até 2030.

Uma das principais ações é erradicar a dependência de combustíveis fósseis e adotar a geração de energia limpa, como a energia solar, que é de graça, limpa e de fácil captação aqui no Brasil.

A telha solar com grafeno vem na mesma linha da telha colonial convencional de plástico. Leonardo Retto é democrático ao dizer a nossa reportagem que a fabricação desse produto é para todas as classes.

“Acreditamos pela procura já antecipada que escalaremos o mercado rapidamente, pois diversas empresas do setor de painéis solares convencionais, também tem nos procurado para revenda de nosso produto, isso já é um indicador do próprio mercado”, conta o empresário.

Equipe Telite que atua no processo de fabricação da telha solar a base de grafeno
Equipe Telite

Atualmente, a telha solar com grafeno da Telite está em processo de certificação perante ao Inmetro e Aneel. Em breve, haverá o anúncio de uma multinacional como parceira.

Saiba mais

Parcerias internacionais visa acesso à energia solar

Segundo Leonardo Retto, a Telite tem recebido uma na média de 250 e-mails de interessados na compra da telha solar com grafeno. Além disso, ocorreram reuniões com oito países, entre eles Estados Unidos, Japão, Chile e Portugal, além do México onde não é permitido o armazenamento de energia, mas acredita-se que é possível atuar com o sistema de hibrido.

“A Telite já está fabricando a própria telha solar com grafeno no polímero. E no futuro próximo, a telha já será a condutora principal sem precisar de nenhum dispositivo acoplado. Isso já é uma realidade na nossa produção que foi capaz através da parceria com esta grande multinacional Brasileira” destaca Leonardo Retto..

Como a telha solar com grafeno nos pequenos negócios

A energia solar pode ser uma aliada na retomada da economia. Além da questão da sustentabilidade, a modalidade fotovoltaica traz economia na conta de luz, principalmente no sistema de geração distribuída.

Já desmistificado essa coisa de que energia solar é coisa para gente rica, a telha solar com grafeno é de fácil instalação. O produto de tamanho de 1,90 x 1,10, com apenas 5 KG, tem durabilidade de 80 anos.

“Cerca de 40% com custo menor, muito mais fácil manutenção e instalação, a maior geração por metro quadrado, e um produto altamente sustentável com energia limpa acoplada. É o que o novo consumidor procura”, destaca Leonardo Retto.

Tags:
Júnior Aguiar
Jornalista, formado pela Universidade Católica de Pernambuco | Produtor de conteúdo web, analista, estrategista e entusiasta em comunicação.
fwefwefwefwefwe