Descobertas de petróleo este ano devem superar 30% o ano passado

Petróleo mundial
 

Se o restante de 2019 continuar no mesmo ritmo de descobertas de petróleo do primeiro trimestre, o ano excederá os recursos descobertos em 2018 em 30%, de acordo com o grupo de inteligência energética Rystad Energy.

A Rystad disse na segunda-feira, 08 de Abril, que as descobertas globais de petróleo no primeiro trimestre alcançaram um robusto número de 3,2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe). Taiyab Zain Shariffa Rystad, analista de upstream da Rystad Energy disse: “Se o resto de 2019 continuar em ritmo semelhante, este ano estará a caminho de superar os recursos descobertos do ano passado em 30%.”

A maior parte dos ganhos foi registrada em fevereiro, registrando 2,2 bilhões de barris de recursos descobertos que, segundo a Rystad, foi o melhor registro mensal desde agosto de 2015.

A Rystad acrescentou que as principais empresas de petróleo estão liderando a carga na exploração, com mais de 2,4 bilhões de boe (petróleo e gás) de recursos descobertos. As seis maiores descobertas pelas principais empresas, cada uma, ultrapassam os 150 milhões de boe, e as três maiores podem ter mais de 300 milhões de boe.

A ExxonMobil foi a mais bem-sucedida, com três importantes descobertas offshore representando 38% do total de volumes de petróleo e gás descobertos“, disse Rystad. Rystad colocou a recente descoberta de Glaucus da Exxon no offshore de Chipre no topo da lista das 15 principais descobertas convencionais para o primeiro trimestre do ano, seguida pela descoberta de Brulpadda da Total na África do Sul.

“As grandes montadoras europeias Total e Eni também estão no grupo com poços marítimos de sucesso na África do Sul , no Reino Unido , em Angola e no Egito “, afirmou a empresa de inteligência.

Quanto ao onshore, o gás da Kali Berau Dalam, operado pela Repsol, na Indonésia, é o nome da principal descoberta do trimestre.

A Rystad também declarou que, de uma perspectiva global, a pressão por novas descobertas substanciais não mostra sinais de desaceleração, com outros 35 poços de exploração de alto impacto que devem ser perfurados neste ano, tanto onshore quanto offshore.

Três desses poços altamente prospectivos já estão em andamento – o Peroba, na Bacia de Santos , operado pela Shell, no Brasil, com estimativas prospectivas de recursos de 5,3 bilhões de boe e que no início de janeiro a Petrobras fez a primeira descoberta na área, arrematada em consórcio com a CNODC e a BP Energy na 3ª rodada de partilha.

O poço Kekra da Eni em águas paquistanesas, com estimativas de recursos prospectivos de 1,5 bilhão de boe e o total Etzil operou bem ao largo do México com estimativas de recursos prospectivos pré-perfuração de 2,7 bilhões de boe.

“Se esses poços forem bem-sucedidos, os recursos interinos descobertos de 2019 serão os maiores desde a desaceleração em 2014”, acrescentou Shariff.

Ibama concede licença prévia e nova fase do Pré-sal na bacia de Santos demandará 11 novas FPSOs em um total de 23 empreendimentos ! Acesse aqui e veja a matéria !

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica com ênfase em Automação , Inglês avançado e experiência na indústria de construção naval no estaleiro Brasfels (KeppelFells). Conhecimento dos processos de KPI, planejamento de tubulação, comissionamento e construção de drilling rigs, FPSO’s e reparos.