Crise do petróleo: Diamond Offshore pede recuperação judicial nos EUA e arrasta sua subsidiária no Brasil

Flavia Marinho
por
-
28-04-2020 19:24:10
em Petróleo, Óleo e Gás
Crise do petróleo: Diamond Offshore pede falência nos EUA e arrasta sua subsidiária no Brasil Crise do petróleo: Diamond Offshore pede falência nos EUA e arrasta sua subsidiária no Brasil

Crise do petróleo – no domingo, a americana Diamond Offshore Drilling entrou com pedido de protecção contra credores nos EUA por se deparar com grandes dificuldades nas contas, afetando sua subsidiária no Brasil, a Diamond Offshore Brazil. Petrobras paralisa sondas na Bahia e Sergipe, 550 petroleiros ficam desempregados

Leia também

A companhia americana opera 15 plataformas (11 semisubmersíveis e quatro navios-sonda) que trabalham para a Hess, Occidental, Petrobras e BP.

Marc Edwards, Presidente e CEO, disse: “Após uma análise cuidadosa e diligente das nossas alternativas financeiras, o Conselho de Administração e a administração, juntamente com nossos consultores, concluiu que o melhor caminho a seguir para a Diamond e suas partes interessadas era buscar o pedido de protecção contra credores. Com esse processo, pretendemos reestruturar nosso balanço patrimonial para obter nível de dívida sustentável para reposicionar o negócio para obter sucesso a longo prazo. ”

Diamond Offshore Drilling tem duas sondas afretadas pela Petrobras: a Ocean Valor(foto) e a Ocean Courage, que atualmente estão alocadas na Bacia de Santos.

A previsão é que uma delas no Campo de Berbigão até julho e a segunda, no Campo de Búzios até o final do ano. A recuperação, além da subsidiária no Brasil, engloba outras doze empresas espalhadas pelo mundo.

Crise do petróleo

A crise global deverá acarretar em mais suspensões de atividade no setor offshore, numa altura em que os produtores de petróleo se debatem com um excesso de oferta e uma procura muito limitada – cenário agravado pela pandemia do novo coronavírus.

Nos EUA o número de plataformas petrolíferas em atividade caiu para 378 na semana passada, tendo 60 encerrado durante esse período, segundo os dados da Baker Hughes. Ou seja, menos 53% do que na mesma semana do ano passado.

No início de abril a Whiting Petroleum também pediu proteção contra credores, ao abrigo da lei de falências dos EUA, tornando-se a primeira grande produtora independente de petróleo de xisto (“shale oil”) a sucumbir à queda dos preços do setor.

 

 

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe