Vagas de emprego na construção naval! Estaleiro Brasfels fatura contrato com a SBM para a construção de módulos e skids do maior FPSO produtor de petróleo que entrará em operação offshore no Brasil

Flavia Marinho
por
-
14-07-2021 13:49:34
em Indústria Naval, Portos e Estaleiros
fpso - naval - construção - obras - rio de janeiro - estaleiro - sbm - emprego - vagas Vagas de emprego estaleiro de construção naval Brasfels, Angra dos Reis / Imagem Sindicato dos Metalúrgicos

Retomada da construção naval do Brasil garante 18 meses de obras e vagas de emprego estão por vir no estaleiro Brasfels, localizado no Rio de Janeiro!

A construção naval do Brasil que até então parecia abandonada e esquecida, vem ressurgindo e sendo retomada. Esta quarta-feira (14/07), inicia com uma excelente notícia dada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Angra dos Reis aos profissionais do setor e moradores da região. Segundo o comunicado, o estaleiro Brasfels, acertou os últimos detalhes e faturou com a petroleira SBM a construção de 6 módulos e 2 skids do FPSO Almirante Tamandare. A previsão é de 18 meses de obras e muitas vagas de emprego estão por vir!

Leia também

Sobre o contrato de locação do FPSO Almirante Tamandaré – SBM

Em feveriero a SBM Offshore assinou com a Petrobras Carta de Intenções (LOI) e contrato de locação e operação de 25 anos do FPSO “Almirante Tamandaré”, a ser implantado no campo de Búzios, na Bacia de Santos, a aproximadamente 180 quilômetros da costa do Rio de Janeiro.

De acordo com o contrato, a SBM Offshore é responsável pela engenharia, aquisição, construção, instalação e operação do FPSO. A SBM Offshore projetará e construirá o FPSO “Almirante Tamandaré” usando seu programa Fast4Ward, incorporando o casco Multi-Purpose Floater (MPF) combinado com vários módulos de topsides padronizados. O quarto casco Fast4Ward MPF da SBM Offshore foi alocado para este projeto.

O FPSO será a maior unidade produtora de petróleo em operação offshore no Brasil e uma das maiores do mundo, com capacidade diária de processamento de 225 mil barris de óleo e 12 milhões de m3 de gás. Além disso, o FPSO terá capacidade de injeção de água de 250 mil barris por dia e capacidade mínima de armazenamento de 1,4 milhão de barris de petróleo bruto. O FPSO será espalhado atracado em lâmina d’água de aproximadamente 2.000 metros. A entrega do FPSO está prevista para o segundo semestre de 2024.

Bruno Chabas, CEO da SBM Offshore, comentou na época: “A SBM Offshore tem o orgulho de anunciar que a Petrobras concedeu à companhia o LOI para o sexto desenvolvimento de FPSO no campo de classe mundial de Búzios no Brasil. Este prêmio para uma das maiores unidades de produção do mundo demonstra a confiança depositada em nossa capacidade de entregar FPSOs de grande escala de forma confiável e o acordo novamente confirma o valor significativo que oferecemos aos nossos clientes com nosso programa Fast4Ward. As equipes da SBM Offshore esperam iniciar a fase de execução para continuar entregando valor a um de nossos principais clientes, a Petrobras ”.

Petrobras apresenta a plataforma FPSO Carioca, no estaleiro da Brasfels, em Angra dos Reis, e autoridade do Rio promete 5 mil vagas de emprego na construção naval para o estado

Construção naval – No dia 10 de junho, a maior petroleira do Brasil convidou autoridades do estado do Rio de Janeiro para apresentar a plataforma de petróleo, FPSO Carioca, que está sendo construída pela Modec no estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio. Há duas semanas do término das obras, a unidade, que pertence à Petrobras, terá seu destino final no campo de Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos, onde começa a operar em agosto.

5 mil vagas de emprego estão previstas para a construção naval no Rio de Janeiro. As empresas também comentaram sobre as dificuldades de mercado na construção naval em relação à tecnologia, infraestrutura, e falta de incentivo fiscal para torná-las mais competitivas. De acordo com a parlamentar, há previsão de 5 mil novas vagas com construções em estaleiros no estado.

“É um mercado com grande contribuição para o desenvolvimento econômico do estado, com perspectiva crescente de novas obras, mas que precisa de um plano de desenvolvimento. Com a construção da P-78, MV-32 e Plataforma Almirante Tamandaré, há uma previsão de 5 mil novas vagas”, disse a parlamentar.

Trabalhos de modificação do FPSO P-71 serão feitos no Estaleiro Jurong Aracruz e mais vagas de emprego estão sendo geradas na região

O setor de construção naval do Brasil está se recuperando e frequentemente estaleiros tem faturado constratos e vagas de emprego têm sido geradas no setor. Sembcorp Marine Ltd, por meio de sua subsidiária integral, Estaleiro Jurong Aracruz (EJA), garantiu um Aditivo ao Contrato da Tupi BV avaliado em cerca de US $ 175 milhões para trabalhos de modificação a serem concluídos na Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência de Óleo e Gás (FPSO) P-71, e mais oportunidades estão sendo geradas na região.

Projetada originalmente para o campo de Tupi, a FPSO P-71 passará por modificações e integração no EJA para implantação no campo de Itapu. O escopo de trabalho do EJA inclui a modificação dos sistemas existentes e integração de sistemas adicionais à plataforma (o “Projeto”).

Medindo 316m de comprimento e 54m de largura, a FPSO P-71 é capaz de movimentar 150.000 barris de petróleo por dia e seis milhões de metros cúbicos de gás natural em operação. Tem capacidade de armazenamento de 1,6 milhão de barris de petróleo e pode acomodar 160 pessoas. A entrega da embarcação está prevista para o último trimestre de 2022.

Complexo naval, industrial e logístico ENSEADA, na Bahia, saiu do abandono e recebeu no dia 7 de julho, investimentos do Governo Federal

O complexo naval, industrial e logístico ENSEADA obteve no dia 07 de julho, a licença definitiva para operar como porto no escoamento de minério de ferro, ampliando os negócios para além do setor naval e industrial. O ato ocorreu na sede do Ministério da Infraestrutura, em Brasília, com a participação do Ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas, do Ministro da Cidadania, João Roma, do Diretor Presidente da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Eduardo Nery, do Diretor Presidente do ENSEADA, Maurício Almeida, dentre outras autoridades.

O documento emitido pela ANTAQ é válido por 25 anos e prevê que o ENSEADA armazene e movimente granéis minerais (minério de ferro), cargas gerais e equipamentos de grandes dimensões, a exemplo de torres e pás eólicas, além de ampliar a área do terminal portuário para 740 mil metros quadrados, transformando o ENSEADA em um dos maiores portos em operação do Nordeste.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.