Repsol Sinopec Brasil investe no uso de robôs para manutenção de tanques FPSOs

Repsol - robos - FPSO - manutenção Robô autônomo também aumenta a segurança da atividade de inspeção, uma vez que, normalmente, ela é feita in loco por técnicos, em local de material inflamável (Créditos: Repsol Sinopec Brasil)

Observando a dificuldade das empresas em realizar inspeções e manutenções em tanques FPSOs, a Repsol Sinopec criou o projeto Squidbot, que consiste em robôs que usam inteligência artificial

A Repsol Sinopec Brasil pretende usar robôs para realizar a manutenção de tanques FPSOs, com os estudos que fazem parte do Squidbot, robô que mede cerca de 1,70 m. Os FPSOs geralmente tem problemas como corrosões e, para facilitar as operações, sem a necessidade de esvaziar o tanque, o Squidbot tem uma rota que é feita por meio de inteligência artificial e já está em fase de testes.

Leia também

Coordenador do projeto para a Repsol Sinopec se pronuncia

De acordo com o coordenador do projeto Squidbot, Alexandre Diezel, a ideia do projeto de robôs para a manutenção de FPSOs começou quando a unidade de negócio da Repsol Sinopec trouxe a problemática da manutenção dos tanques de armazenamento de combustíveis.

Esses tanques possuem cerca de 30 metros de diâmetro e aproximadamente de 15 metros de altura, medida que equivale a um prédio de quatro andares. Atualmente, para realizar a inspeção é necessário esvaziar todo o tanque e transferir o líquido, que é altamente inflamável, para outro recipiente.

Com o tanque vazio, os operadores realizam a inspeção in loco. Além de ser um processo trabalhoso, as atividades do tanque ficam paralisados.

Como funcionam os robôs da Repsol Sinopec?

Tendo em vista todas as dificuldades citadas anteriormente, foram criados pelo projeto os robôs autônomos que fazem a manutenção nos FPSOs. De acordo com Diezel, o Squidbot terá o mapa do tanque em sua programação e a Inteligência Artificial calculará a melhor rota de manutenção lá dentro.

Entretanto, caso ocorra algum erro no percurso, os robôs teriam a autonomia para corrigir e recalcular as rotas. Tudo isso sem perder o foco no objetivo principal, que é fazer uma inspeção precisa, eficaz e confiável.

De acordo com o líder da área de instalações e operações de produção no departamento de P&D, Marcelo Andreotti, se for levada em consideração a inspeção em si mais os custos associados, como serviços de manutenção, seria um valor de no mínimo US$ 500 mil para inspecionar um tanque FPSO. Sendo assim, reduzir o tempo de inspeção de forma drástica significa gerar uma enorme economia .

Vantagens do uso dos robôs da Repsol Sinopec

O projeto apresenta um novo conceito de robôs para inspeção com inteligência artificial em tanques de armazenamento em serviço que poderá reduzir custos e o tempo operacional necessário para as inspeções.

O Squidbot da Repsol é fruto de uma parceria com a 13Robotics, startup recém adquirida pela Kraken Robotics. As grandes vantagens que este projeto pode proporcionar ao setor de óleo e gás está no número de pessoas que estarão fora da área de risco, a redução em até 90% do tempo de inspeção e uma economia de aproximadamente US$ 2 milhões.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.