Por R$ 994 milhões, Petrobras vende Refinaria Isaac Sabbá (REMAN), no estado do Amazonas, para o Grupo Atem

Roberta Souza
por
-
26-08-2021 13:57:36
em Refinaria e Termoelétrica
Petrobras – refinaria – Amazonas Refinaria Isaac Sabbá/ Fonte: A Crítica

Com a venda da refinaria no Amazonas, a Petrobras concluí a segunda operação, entre os oitos que estão em andamento, a ser assinado pela petroleira

A Petrobras assinou ontem, quarta-feira (25/08) com o Grupo Atem, o contrato para a venda da Refinaria Isaac Sabbá (REMAN), em Manaus, no Amazonas, e seus ativos logísticos associados pelo valor de US$ 189,5 milhões (R$ 994,15 milhões). A refinaria é a segunda dentre as oito que estão em processo de venda a ter o contrato assinado. A REMAN possui capacidade de processamento de 46 mil barris/dia e seus ativos incluem um terminal de armazenamento. Veja ainda esta notícia: Petrobras consegue estender o prazo para a venda das refinarias LUBNOR e REFAP

O processo de venda da refinaria da Petrobras, no Amazonas

A venda da REMAN está em consonância com a Resolução nº 9/2019 do Conselho Nacional de Política Energética, que estabeleceu diretrizes para a promoção da livre concorrência na atividade de refino no país, e integra o compromisso firmado pela Petrobras com o CADE para a abertura do setor de refino no Brasil.

O processo de desinvestimento da REMAN, aprovado pelo Conselho de Administração da Petrobras nesta data seguiu rigorosamente a Sistemática de Desinvestimentos aprovada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O projeto de desinvestimento da refinaria foi aprovado em todas as instâncias da governança corporativa da Petrobras.

Rodrigo Costa, diretor de Refino da Petrobras destacou a importância da operação: “A assinatura do contrato de venda da refinaria no Amazonas representa mais um passo importante para o processo de reposicionamento da atividade de refino na Petrobras. A companhia está investindo para se tornar mais competitiva e para se posicionar entre as melhores refinadoras do mundo, em termos de eficiência, desempenho operacional e produtos de alta qualidade”, explica Costa.

Próximos passo da venda da refinaria

Após a conclusão da operação, a Petrobras continuará operando a refinaria através de um contrato de prestação de serviços por um período transitório (Transition Service Agreement – TSA) enquanto o comprador estrutura seus processos e monta suas equipes. Isso acontecerá sob um acordo de prestação de serviços, evitando qualquer interrupção operacional. A Petrobras e a ATEM reafirmam o compromisso estrito com a segurança operacional na REMAN em todas as fases da operação. Foram tomadas medidas para que não ocorra descontinuidade no fornecimento de gás natural, petróleo e GLP da região.

Os empregados da Petrobras que decidirem permanecer na companhia poderão optar por transferência para outras áreas da empresa. Outra possibilidade é a adesão ao Programa de Desligamento Voluntário, com pacote de benefícios. A Petrobras vem conduzindo os processos de desinvestimento com transparência e respeito aos empregados. A companhia divulga interna e externamente as principais etapas do processo e dá todo o apoio aos profissionais envolvidos. Nenhum empregado da Petrobras será demitido em decorrência da transferência do controle da REMAN para o novo dono.

Confira ainda esta notícia: Vendas de refinarias da Petrobras podem atrasar, em consequência do risco de interferência nos preços dos combustíveis

Em entrevista concedida à epbr, o diretor executivo de Exploração e Produção da Petrobras, Fernando Borges ressalta que o risco de interferência nos preços dos combustíveis é um fator que tem atrasado a venda das refinarias da Petrobras. O executivo diz que é preciso preservar a competitividade da indústria de óleo e gás, o que passa pela liberdade na formação de preços.

Fernando Borges, além de defende que é preciso preservar a competitividade da indústria de óleo e gás, o que passa pela liberdade na formação de preços, diz também pela manutenção da política de conteúdo local vigente e de participação governamental, que inclui a tributação e os royalties baseados no valor da produção. O diretor executivo ainda cita que é um dos riscos que não está tornando fácil a Petrobras vender suas refinarias. Esse histórico de interferência no Brasil é longo e, quando se tem alternância de governo, pode ter um outro que acha que é a solução controlar preço.

Ele ainda cita que a percepção no mercado é que, de fato, o risco afeta o valor das refinarias. Das oito unidades à venda, a Petrobras fechou uma – a RLAM, na Bahia – e decidiu reiniciar a concorrência pela Repar, no Paraná, justamente porque as propostas ficaram muito abaixo do esperado.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos
fwefwefwefwefwe