Petrobras fala sobre detalhes envolvendo a venda da participação na área do pré-sal da Bacia de Santos

Valdemar Medeiros
por
-
12-08-2020 16:02:40
em Petróleo, Óleo e Gás
Petrobras - Pré-sal - Bacia de campos bloco exploratório BM-S-51 em alto mar

A Petrobras colocou à venda o bloco exploratório BM-S-51 na Bacia de Santos, no litoral brasileiro, uma medida que dará aos compradores acesso a potenciais depósitos de petróleo e gás natural do pré-sal

‘Este bloco de exploração está estrategicamente posicionado em relação a outras descobertas da Bacia de Santos e áreas de exploração no polígono de partilha de produção “, disse a Petrobras em um comunicado. A empresa detém uma participação operacional de 80%, com a joint venture espanhola-chinesa Repsol Sinopec Brasil.

Leia também

A Petrobras planeja vender de 50% a 100% de sua participação na área do pré-sal

A venda expande o programa de desinvestimento em andamento da Petrobras em meio às incertezas sobre o volume de fundos que a empresa levantará durante a atual turbulência do mercado e a pandemia de coronavírus em curso, que quase paralisou as fusões e aquisições da indústria global de petróleo. A Petrobras quer levantar US $ 20 bilhões a US $ 30 bilhões até o final de 2024. Incluindo a venda de oito das 13 refinarias operadas pela empresa quando a empresa encerrar seu monopólio.

Sendo assim, a venda também representa apenas a segunda venda potencial de um ativo offshore com potencial para o pré-sal na Bacia de Santos, onde a maioria das descobertas multibilionárias do pré-sal foram feitas no final dos anos 2000 e no início dos anos 2010. A Petrobras vendeu anteriormente o Campo de Bacalhau para a Equinor da Noruega por US $ 2,5 bilhões.

Outrossim, a Petrobras disse na época que se separou do enorme depósito estimado em 700 milhões a 1,3 bilhão de barris de petróleo recuperável por causa de altas pressões que seriam mais difíceis de superar do que outros depósitos do pré-sal. Isso acaba incluindo a reinjeção de gás.

O bloco BM-S-51 está na primeira fase de exploração, com o firme compromisso de perfurar um único poço exploratório remanescente, disse a Petrobras

Por fim, os potenciais licitantes devem ser qualificados como operadoras A pela Agência Nacional do Petróleo, ou ANP. A designação de operador permite a atividade de exploração e produção em águas profundas e ultraprofundas.

Os investidores têm até 24 de agosto para expressar interesse e obter documentos da Petrobras. Com acordos de sigilo e outros documentos que devem ser apresentados por potenciais licitantes até o prazo final de 4 de setembro, disse a Petrobras.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.