Home > Sem categoria

Petrobras apresenta plano estratégico para setor de petróleo e gás em Guiana

Paulo Nogueira
por
-
30-04-2019 05:10:57
em Sem categoria
Guiana Petrobras Petróleo Gas contrato

Além da Petrobras, há outras empresas brasileiras com de intenção explorar ativos de petróleo e gás no país vizinho ao Amapá

Representantes da multinacional brasileira Petrobras apresentaram na segunda-feira(29) um plano estratégico de cinco anos para o próximo setor de petróleo e gás da Guiana, que inclui assistência técnica, serviços de exportação e importação e treinamento.

O plano foi apresentado à Ministra Dawn Hastings-Williams, sob seu novo portfólio como Ministro de Estado, durante uma visita de cortesia na sala de reuniões do Ministério da Presidência. O ministro Hastings-Williams disse ao Departamento de Informação Pública (DPI) que as conversações entre a corporação e o governo têm sido bastante frutíferas e promissoras. Ela espera que isso possa ser reforçado com a disposição dos representantes em fornecer uma proposta abrangente.

Isso, segundo ela, permitirá que as partes interessadas relevantes tenham um melhor entendimento das informações fornecidas para ver a melhor maneira de o governo fazer parceria com a Petrobras. “Nós [o governo da Coalizão] estamos interessados ​​em ter muitos países envolvidos nesta plataforma de exploração e produção de petróleo. Como você sabe, a produção de petróleo é maior do que a da bauxita, do ouro… isso não quer dizer que os outros recursos naturais do país serão deixados de lado; Significa apenas que devemos ser extremamente cuidadosos ”, acrescentou.

O chefe do Departamento de Energia, Dr. Mark Bynoe, que esteve presente na reunião, disse que o governo saúda o apoio da empresa. “Somos como você; temos uma visão, um plano estratégico em termos de para onde estamos indo… atualmente temos um roteiro e confiamos que, com o tempo, começaremos a melhorar nossas próprias capacidades através da compra de experiência de terceiros e depois a experiência guianense avançando como ministra. indicado com treinamento ”, disse o chefe do DoE.

Ele observou que, apesar dos desafios atuais relacionados à indústria de petróleo e gás, a Guiana espera estabelecer um plano concreto que beneficie seus cidadãos. Foi destacado que a Guiana até o momento se beneficiou de mais de US $ 16 bilhões (US $ 75 milhões) diretamente do setor de petróleo e gás.

A Petrobras ainda está negociando com o governo para garantir um bloco de petróleo na costa da Guiana. A empresa havia pedido oficialmente um bloco de petróleo no início do ano passado e ainda está em processo de tentar adquirir o bloco, o vice-embaixador do Brasil na Guiana, Ronaldo Vieira havia dito ao Guiana Chronicle em uma entrevista exclusiva.

“Eles ainda estão lidando com esse bloco em particular, mas não é só a Petrobras, há várias empresas brasileiras que estão tentando entrar no mercado aqui; estamos nos conectando com empresas locais para fazer conexão com as do Brasil. “É o mesmo nível da ExxonMobil. A Petrobras explora e perfura e faz muitas coisas relacionadas a isso, mas há empresas menores que fornecem peças, gerenciam a plataforma e assim por diante ”, disse ele.

Vieira disse ainda que há muitas oportunidades relacionadas à indústria de petróleo e gás. A Petrobras está procurando capitalizar as oportunidades. É uma das várias grandes empresas de petróleo que pretendem adquirir blocos offshore na Guiana.

Foi relatado que a petrolífera americana Chevron e a francesa Total também estão entre as nove empresas que procuram os blocos petrolíferos remanescentes e o governo está explorando tanto “compromissos diretos” quanto um “processo de licitação” para atribuí-los.

As empresas que possuem blocos na área de águas profundas, na costa da Guiana, são: Repsol e Tullow Oil (o bloco Kanuku); Tullow (o bloco de Orinduik); Anadarko (o bloco de Roraima); Óleo de Proporção (o Bloco Kaieteur); Esso, CNOOC Nexen e Hess (o Bloco de Stabroek); Esso, Mid Atlantic e JHI (o Bloco Canje; CGX (os blocos Demerara e Corentyne); ON Energy; e Nabi.

A Petrobras fundada em 1953 é especializada em exploração e produção, refino, comercialização, transporte, petroquímica, distribuição de derivados de petróleo, gás natural, eletricidade, gás-químico e biocombustíveis.


Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.