Multinacional Norsk Hydro é processada por onze mil famílias no baixo Amazonas, que pedem indenização por poluição em rio

Flavia Marinho
por
-
13-02-2021 12:27:10
em Indústria e Construção Civil
hydro - amazonas - rio

A mineradora norueguesa Hydro está sendo processada por 11 mil famílias no baixo Amazonas, por contaminação das águas da região, degradação ambiental e efeitos na saúde dos residentes na área.

Uma ação coletiva se iniciou envolvendo 11 mil famílias no Pará contra a norueguesa do alumínio Norsk Hydro ASA em relação à atividade, que, segundo os advogados, é ilegal e tem levado à contaminação das águas da região, degradação ambiental e efeitos na saúde dos residentes na área, diz Estadão/Broadcast. Foram descobertas no Amazonas e Pará reservas gigantescas de potássio

ANÚNCIO

Leia também

O processo que se ajuizou na Europa, busca indenização pelos danos causados às comunidades de Barcarena e Abaetetuba, no baixo Amazonas, pela destinação incorreta de resíduos tóxicos no Rio Murucupi, bem como outros efeitos da presença de operações de alumínio controladas pela companhia. A empresa tem 34% de seu capital controlado pelo governo norueguês – seu maior acionista.

Em sua grande maioria, as vítimas são membros da Cainquiama – Associação Amazônica de Mestiços, Indígenas e Quilombolas. Inclusive há pessoas cujo modo de vida e subsistência é totalmente dependente da floresta e dos cursos de água do rio Amazonas e afluentes.

Estes lutam na justiça compensação de danos ambientais, incluindo contaminação da água e destruição da floresta, bem como pelos impactos negativos à saúde das comunidades locais.

Segundo a assessoria de imprensa da Norsk Hydro, a companhia “acaba de receber notificação sobre um processo holandês de Cainquiama e responderá conforme solicitado perante o tribunal holandês”.

Norsk Hydro informou que os assuntos ligados à Cainquiama já estão sendo discutidos na Justiça brasileira. Desde 2017, conforme a assessoria, a associação moveu cinco ações judiciais no Brasil contra diferentes entidades da norueguesa no Brasil. “Em relação ao evento pluviométrico de 2018, não houve transbordamento e nenhuma evidência de contaminação”, enfatizou.

Uma das preocupações é com o vazamento de bauxita e outros subprodutos do alumínio, que causariam danos graves à saúde humana como doenças gastrointestinais, quedas de cabelo, aumento da incidência de câncer, Alzheimer e queimaduras na pele.

Para os advogados da defesa, o histórico de atuação da Norsk Hydro na região segue enredo similar ao das tragédias de Brumadinho e Mariana, em Minas Gerais, tanto pelo fato de a mineradora negligenciar os quesitos básicos de segurança na extração do alumínio em Barcarena, quanto por negar aos atingidos uma reparação pelos danos causados. No caso de Mariana e agora da Hydro, é o escritório PGMBM que lidera o caso no exterior – o de Mariana foi aberto no Reino Unido.

por – Estadão/Broadcast


⇒ Participe dos nossos grupos do Telegram e fique atento a todas as notícias do mercado de energia, empregos, projetos e outros assuntos microeconômicos do Brasil. Nossas informações sempre são direto das fontes e atualizadas. Acesse o Nosso Telegram aqui.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.