McDermott está na frente de licitação da Petrobras para serviços no Campo de Sépia

Petrobras licitação risers rígidos McDermott
 

A empreiteira apesentou uma proposta mais baixa de US $ 294 milhões para fornecimento de risers rígidos para atividades da Petrobras, no pré-sal da Bacia de Santos

A McDermott apresentou a proposta mais baixa em um leilão da Petrobras para contratar um sistema rígido baseado em riser para o campo de sépia na província do pré-sal da Bacia de Santos, no Brasil. Fontes disseram que o empreiteiro norte-americano apresentou uma oferta comercial de cerca de 1,09 bilhão de reais (US $ 294,5 milhões) para realizar engenharia, aquisição, construção e instalação de um conjunto de sete poços para ser ligado ao FPSO Carioca.

A McDermott superou os contratados rivais por uma margem muito pequena. A Subsea 7 e a TechnipFMC, respectivamente, terminaram em segundo e terceiro lugares, com propostas de 1,11 bilhão de reais e 1,15 bilhão de reais, disseram fontes.

A Saipem, da Itália, também participou da licitação, mas terminou em quarto depois de apresentar uma oferta de aproximadamente 1,4 bilhão de reais. Outros empreiteiros, incluindo Sapura Navegacao e Allseas, também deveriam participar do concurso, mas desistiram por outros motivos.

“Parece que os preços oferecidos no leilão eram muito baixos. Cabe agora a McDermott provar que pode realizar o trabalho dentro do prazo e do orçamento ”, disse uma fonte de um concorrente rival.

Espera-se agora que a Petrobras se envolva em negociações exclusivas com a McDermott.

Regras da Licitação

As regras de licitação estabelecem que o contratante vencedor terá até 1000 dias para entregar e instalar todos os equipamentos submarinos após a assinatura do acordo.

O pacote de cabos umbilicais submarinos, risers e flowlines do Sepia cobre tubos rígidos de aço a serem instalados na formação de ondas preguiçosas, com jumpers rígidos, terminações de tubulações e juntas flexíveis.

O sistema SURF a ser fornecido pelo licitante vencedor cobrirá menos da metade dos 15 poços que serão vinculados ao FPSO Carioca.

Uma segunda fase de desenvolvimento pode ser empreendida no futuro, potencialmente com o uso de uma nova geração de risers flexíveis.

Especialista em flutuadores japoneses, a Modec está encarregada de fornecer o FPSO Carioca, que está em construção na Cosco Shipping Heavy Industries na China, e deve produzir a partir do Sépia no segundo semestre de 2021.

O flutuador será capaz de lidar com 180.000 barris por dia de petróleo e 6 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural.

As licitantes esperam que a Petrobras nos próximos meses ofereça novas oportunidades SURF relacionadas a outros projetos do pré-sal.

A empresa nacional já está em negociações com os empreiteiros sobre a solução rígida baseada em risers para o projeto Mero 1.

McDermott foi visto inicialmente como estando no comando para esse trabalho também, mas uma conversa recente sugeriu que outro candidato pode estar de volta à disputa.

Fontes disseram: “Se este contrato não for assinado em janeiro, existe o risco de que o primeiro óleo possa ser adiado para além de 2022”.

Outros projetos e licitações

A empresa nacional já está em negociações com os empreiteiros sobre a solução rígida baseada em risers para o projeto Mero 1.

Os empreiteiros também estão de prontidão para o lançamento dos leilões de risers para os desenvolvimentos Mero 2 e Búzios 5, possivelmente em março ou abril.

“Acredito que a Petrobras continuará com os risers rígidos para esses dois projetos também”, disse uma fonte.

Prestadores de serviços submarinos estão buscando empresas internacionais de petróleo para contratos futuros no Brasil. A Equinor da Noruega iniciou um processo de seleção de projetos e engenharia pré-front-end para o desenvolvimento conjunto do pré-sal Carcará e Norte do Carcará.


Sobre Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás em operações de completação, perfuração e produção em empresas em parceria com grandes empresas multinacionais do setor.