Ibama reprova projeto de Parque Eólico Offshore Caucaia, no Ceará

Roberta Souza
por
-
13-08-2020 09:20:27
em Energia Renovável
Ibama não aprova projeto do Parque Eólico Offshore Caucaia O órgão federal negou licença prévia para construção do Parque Eólico Offshore Caucaia após observar irregularidades no projeto

O órgão federal negou a licença prévia para construção do Parque Eólico Offshore Caucaia após observar irregularidades no projeto

O Ibama indeferiu o pedido de licença prévia para instalação do parque eólico offshore Caucaia, da BI Energia, no Ceará. O projeto de 598 MW é uma sociedade entre a italiana Imprese e Sviluppo e o empresário Lucio Bonfim.

Veja ainda outras notícias:

O EIA/Rima, que é o estudo de impacto ambiental, não foi aprovado pelo Ibama em um parecer divulgado no dia 06 de agosto. Conforme o documento do Ibama, o projeto mostrado “tem elevado grau de imaturidade, pois não são definidas as intervenções e impactos relacionados à criação das áreas portuárias essenciais ao projeto e/ou previsão de eventuais necessidades de expansão de portos de referência existentes, dragagens e criação de novas vias de acesso”.

Outro ponto do componente eólico semi-offshore do empreendimento, com a instalação de aerogeradores no final dos molhes – paredão que se constrói para proteção da violência das águas, como quebra-mar – isso causa um enorme impacto diretos e riscos ligados, “os quais se encontram em total dissonância com a vocação turística da área”.

O Ibama sugere as empresas do projeto busquem alternativas para alcançar sua disposição de controlar a erosão das praias, “pois a vinculação da implantação de molhes com a geração de energia não se justifica tecnicamente em termos de produção de impactos que seriam ocasionados”.

O projeto estava previsto a ter 48 turbinas offshore e 11 turbinas semioffshore. Logo ter a descrição do empreendimento não aprovada, teve o pedido para atuar no local arquivado, por ser a segunda vez que o EIA-Rima não aprova, e o Ibama irá cobrar o custo para analisar o projeto. Lúcio Bomfim, que é o sócio-propietário da BI Energia, disse em sua conta no LinkedIn que “apesar do posicionamento do Ibama, a empresa não perde a motivação de implantar o projeto”.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos