Início Europa inaugura a maior usina de reciclagem para baterias de carros elétricos do mundo

Europa inaugura a maior usina de reciclagem para baterias de carros elétricos do mundo

24 de maio de 2022 às 11:48
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Europa - Noruega - usina - usina de reciclagem - baterias - carros elétricos - carro elétrico
A usina na Noruega é a maior da Europa – Foto: Reprodução/Pexels

Com o objetivo de evitar a poluição pelo acumulo de baterias, empresas se uniram para desenvolver a primeira usina de reciclagem de baterias para carros elétricos, sendo a maior de toda a Europa. A estimativa é que a capacidade de seja de 12 mil toneladas por ano.

Hydrovolt, uma joint venture de reciclagem de baterias de carros elétricos entre a Hydro, uma empresa de alumínio e a Northvolt, iniciou oficialmente suas operações comerciais de sua usina de reciclagem em Fredrikstad, na Noruega, no dia 15 de maio. A fábrica, que evita a poluição ao conduzir a reciclagem e coleta corretamente das baterias de veículos elétricos, iniciou suas atividades comerciais menos de dois anos após o anúncio oficial, em 2020. Conforme o comunicado de imprensa, a fábrica da Hydrovolt é atualmente a maior usina de reciclagem de baterias de carros elétricos da Europa, com capacidade anual para reciclar 12 mil toneladas de baterias, equivalendo a 25 mil baterias de carros elétricos. A estimativa é que seja suficiente para reciclar todo o mercado da Noruega de baterias de fim de vida.

Usina de reciclagem da Noruega terá capacidade de 300 mil toneladas até 2030

É claro que a Europa como todo, terá que construir muito mais usinas de reciclagem para atender as futuras demandas. Apenas a Hydrovolt está explorando uma ampliação da capacidade de reciclagem no continente com uma missão de longo prazo de chegar às 70 mil toneladas de baterias de carros elétricos, o equivalente a 35 mil unidades, até 2025.

Artigos recomendados

Até o início da próxima década, a empresa, que busca evitar a poluição, planeja reciclar 300 mil toneladas anualmente. A Northvolt afirma que o processo de reciclagem totalmente automatizado está permitindo que até 95% dos materiais sejam recuperados de baterias de carros elétricos, incluindo cobre, alumínio, plásticos e massa preta, sendo um composto feito de níquel, cobalto, manganês e lítio.

O alumínio, reciclado com apenas 5% de energia inicial necessária para produzir alumínio primário, será entregue a Hydro para a recirculação em produtos de alumínio de nível comercial. Já no caso do pós de massa negra, este será enviado para a usina de reciclagem Revolt Ett da Northvolt em Skelleftea, Suécia, para um tratamento hidrometalúrgico. A estimativa é que o volume de massa negra atinja mais de 2 mil toneladas por ano até 2025.

Hydrovolt se pronuncia sobre a nova usina de reciclagem para baterias de veículos elétricos.

Revolt Ett foi lançada no último ano e valiosos materiais de cátodo da usina de reciclagem serão aplicados na produção de novas células de bateria no Northvol Ett em Skelleftea, Suécia, para apoiar a meta da empresa de usar metade do material reciclado na produção de baterias até 2030.

Segundo o CEO da Hydrovolt, Peter Qvarfordt, a empresa representa um marco na jornada de trailblazing da Noruega rumo à mobilidade elétrica generalizada. A Noruega lidera o mundo no uso de carros elétricos há alguns anos, mas o que falta é a capacidade de poder reciclar para garantir uma solução sustentável para estas baterias à medida que sua vida útil chega ao fim.

Atualmente, a companhia é dimensionada para lidar com todo o volume de baterias de fim de vida na Noruega, mas agora a empresa ampliará para garantir que estará preparada para os fluxos mais altos de baterias que estão por vir.

Brasil pode ser polo de usina de reciclagem de baterias de carros elétricos da BMW

A BMW anunciou em março, uma parceria para desenvolver um processo mais sustentável que garanta a recuperação de compostos químicos das baterias em fim de vida de carros elétricos, evitando assim, a poluição.

A empresa investirá cerca de R$ 3,4 milhões e terá duração de 24 meses, com resultados que poderão ser vistos até o fim deste ano. A iniciativa abre uma porta para o uso de minerais reciclados na produção de baterias novas e consiste na reciclagem do material ativo do cátodo de uma bateria.

Relacionados
Mais recentes