Empresas de mineração do Brasil reforçarão regras de segurança em barragens de rejeitos

Paulo Nogueira
por
-
21-12-2020 06:31:12
em Indústria e Construção Civil
Mineração, rejeitos segurança, ANM Esforços de reconstrução da barragem de rejeitos de Fundão da Samarco em 2017. (Imagem cortesia da BHP)

O objetivo é diminuir ou até mesmo evitar acidentes parecidos como as que envolveram as gigantes da mineração Vale e Samarco no passado

À Agência Nacional de Mineração(ANM) anunciou que realizará uma audiência pública sobre as novas diretrizes para reforçar as regras de segurança e fiscalização de barragens de mineração, principalmente na forma as empresas fazem o gerenciamento de rejeitos.

Segundo a agência, as sugestões obtidas durante o processo, que deve durar 45 dias, serão utilizadas para traçar os novos padrões.

O escrutínio em torno da segurança das barragens de rejeitos aumentou dramaticamente nos últimos dois anos, após o colapso da barragem de Brumadinho, da Vale (NYSE: VALE)  ,  que matou 270 pessoas. Também desencadeou uma  investigação global sobre o status de 726 barragens de rejeitos .

Um acidente semelhante em 2015 afetou uma mina de minério de ferro operada pela Samarco, uma joint venture entre a BHP e a Vale. O estouro da barragem de Fundão tornou-se o pior desastre ambiental da história do Brasil.

Barragens a montante foram proibidas em fevereiro de 2019 e as empresas receberam prazos para desativar dezenas de estruturas semelhantes no país. A princípio, o NMA fixou até 2021 para empresas desmontarem as barragens.

Em agosto de 2019, a agência reguladora estendeu o prazo em quase seis anos, para 2022, 2025 e 2027, dependendo do porte da estrutura.

A Vale, maior produtora mundial de minério de ferro, ainda está  enfrentando uma ação legal sobre o acidente mortal , incluindo alegações de que a mineradora estava  ciente da condição instável da barragem  anos antes do acidente acontecer.

Esforços globais no ramo de mineração

Após o acidente, o Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM), um grupo da indústria com sede em Londres que representa 27 grandes empresas de mineração, formou  um painel independente de especialistas  para desenvolver padrões globais para instalações de rejeitos.

A Church of England, que investe em empresas de mineração por meio de suas pensões para clérigos aposentados, juntamente com seus parceiros,  lançou um inquérito global  em abril de 2019 sobre os sistemas de armazenamento de resíduos de mineração de mais de 700 empresas de recursos.

Agora, pede às empresas que divulguem dados sobre as barragens de rejeitos regularmente.

A Responsible Mining Foundation (RMF), sediada na Suíça,  publicou um estudo no início de abril  deste ano, mostrando que a ação liderada por investidores resultou em maior transparência em relação ao estado dessas instalações.

A grande maioria das mineradoras, no entanto, ainda precisa demonstrar que está revisando como efetivamente gerenciam os riscos relacionados aos rejeitos.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.