Início Empresa quer desenvolver o primeiro motor a hidrogênio para aviões hipersônicos e revolucionar o mercado de aeronaves

Empresa quer desenvolver o primeiro motor a hidrogênio para aviões hipersônicos e revolucionar o mercado de aeronaves

20 de janeiro de 2022 às 10:08
Compartilhe
Siga-nos no Google News
motor a hidrogênio - hidrogênio - aviões supersônicos - aviões -
Modelo sobrevoando – Créditos: Hypersonix/Reprodução

A empresa Hypersonix planeja construir um motor a hidrogênio focado em aviões hipersônicos. O motor terá capacidade de sobrevoar a uma velocidade superior a Mach 5

A Hypersonix, empresa australiana focada na construção de motores para aviões hipersônicos, anunciou ter encontrado o material “perfeito” para seu motor a hidrogênio Spartan. A empresa utilizará Compósitos de Matriz de Cerâmica (CMC) para a produção do propulsor. O motor Spartan terá capacidade de acelerar o avião hipersônico Delta-Velos acima da velocidade Mach 5.

Leia também

Motor a hidrogênio suportará altas temperaturas

Para que um voo seja considerado hipersônico, ele precisa atingir ou superar a velocidade Mach 5, cerca de 6 mil km/h. O diretor de tecnologia da Hypersonix, Michael Smart, comenta que os motores Scramjet dependem da combustão do oxigênio do ar e de um combustível para produzir o impulso.

Segundo o executivo o motor a hidrogênio verde, Spartan, utilizando CMC, suportará as altas temperaturas que aviões hipersônicos necessitam enfrentar. Ainda de acordo com Smart, a carga de alta temperatura dura cerca de 20 minutos por Voo e, para reutilização, pelo menos 30 ciclos já seriam suficientes. Os CMCs contam com uma alta relação resistência-peso mesmo em alta temperatura, durabilidade e alta resistência ao choque térmico.

Hypersonix quer fornecer motores hipersônicos sustentáveis

Ilustração do motor Spartan movido a hidrogênio da Hypersonix – foto: Divulgação

Embora o motor a hidrogênio seja um conceito criado para os aviões hipersônicos da empresa, chamados de Delta-Velos, a Hypersonix é uma empresa focada na fabricação de motores.

A australiana vem criando parcerias com universidades, a BOC, Boieing, uma fornecedora de hidrogênio e também a Siemens, que fornecerá os sistemas de simulação computacional de dinâmica de fluídos. O diretor destaca que o objetivo da sua companhia é entregar motores sustentáveis para aviões hipersônicos em todo o mercado mundial.

O conhecimento chave da empresa está nos motores a jato scram e em como desenvolver aeronaves hipersônicas sustentáveis. A Hypersonix está buscando ativamente pesquisa e desenvolvimento, assim como resistência e durabilidade a altas temperaturas para veículos lançadores multiuso, motores e seus componentes.

Mercado de aviões hipersônicos avança no Brasil

Além da empresa, que planeja criar um motor a hidrogênio para este tipo de aeronave, a Força Aérea Brasileira conseguiu no fim do ano passado atingir velocidades incríveis no Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão. Chamados de 14-X S, os motores scramjet da FAB conseguem gerar uma potência de 5 mil hp e alcançar uma velocidade bem próxima a Mach 6 logo no primeiro teste de voo do projeto.

A velocidade alcançada pelo 14-X-S é apenas uma parte do potencial dos motores scramjet. De acordo com a força aérea, o sistema de tecnologia em desenvolvimento no Brasil será capaz de alcançar a Mach10.

Os motores não contam com partes móveis, como turbinas, compressores entre outros e também extinguem o uso de ignição. Tais propulsores com tecnologia hipersônica poderão impulsionar aviões espaciais, que terão a capacidade de viajar até o espaço e voltar, algo que era feito pelos Ônibus Espaciais da Nasa antes, entretanto com custos bem menores. Este tipo de propulsão também poderá ser utilizada em aviões hipersônicos comerciais.

Entretanto, até agora esta tecnologia está surgindo em misseis de cruzeiro hipersônicos, uma forma de arma que deve transformar totalmente as doutrinas de defesa futuramente.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes