Um marinheiro matou o capitão e o primeiro oficial no navio petroleiro Ayane, perto de Ensenada

Flavia Marinho
por
-
25-10-2021 11:48:57
em Petróleo, Óleo e Gás
navio - petroleiro - capitão - marinheiro - assassinato - morte Morte em navio petroleiro Ayane

“O Capitão e o Primeiro Oficial estão mortos, eu os matei”, disse o agressor. O trágico evento ocorreu na noite de 22 de outubro, a bordo do navio petroleiro Ayane, na Argentina

Um marinheiro matou seu capitão e o primeiro oficial do navio petroleiro de bandeira maltês Ayane, no auge da Ensenada del Río de la Plata. Toda a tripulação é argentina. Aparentemente, o duplo homicídio aconteceu no meio de um suposto surto psicótico. O marinheiro atirou nos dois superiores e depois deu o alerta para a Prefeitura. Agora o ataque está sendo investigado enquanto o pessoal da Justiça e da Prefeitura trabalham na perícia, coleta de provas e testemunhos da tripulação do navio.

Leia também

O autor dos disparos foi preso e a investigação ficou a cargo da Justiça Federal nº 3 de La Plata, a cargo de Ernesto Kreplak, com a intervenção de Yamila Abdelcader, da secretaria nº 9.

O atirador foi identificado como Carlos Lima, 52 anos. As vítimas são o capitão Alejandro Daniel Garcia, 39 anos, e o primeiro oficial de convés Juan Alfonso Pegasano, 48.

Ouça abaixo a chamada que deu um relato do assassinato

Funcionários do Centro de Controle de Tráfego do Rio de La Plata receberam, na tarde de sexta-feira, uma comunicação pelo canal VHF. Uma pessoa não identificada, ligou por volta da meia-noite e disse que tinha matado dois homens na nave Ayane e exigiu a presença da prefeitura.

Após a chamada, uma operação foi coordenada. Tropas da prefeitura estavam na Guarda Costeira Cabo Corrientes, que estava perto da área, enquanto tentava estabelecer comunicação com os Ayane.

O navio petroleiro é adequado para o transporte de produtos petrolíferos e produtos químicos

No momento do tiroteio, o navio petroleiro Ayane estava ancorado na rada na altura da cidade de Punta Lara. A embarcação é adequada para o transporte de produtos petrolíferos e produtos químicos. Autópsias serão realizadas nas vítimas nas próximas horas.

O homem que assumiu a responsabilidade pelas mortes, é um ex-policial, demitido em 2007 e com antecedentes. Lima discutiu com um vizinho em 2 de junho de 2008, em La Plata, e atirou nele com sua pistola 9 milímetros. O vizinho foi baleado seis vezes depois de pedir explicações porque quebrou o pavimento com marretas para evitar que a água se acumulasse do esgotamento de uma máquina de lavar. O homem ficou gravemente ferido. Lima se trancou em sua casa e resistiu às autoridades, até que ele se entregou.

Em 2011, Lima foi condenado a sete anos de prisão por tentativa de homicídio agravada pelo uso de armas. Ele foi preso na Unidade 9 em La Plata e depois na Unidade 28, em Magdalena. Após cinco anos atrás das grades, ele foi solto em liberdade condicional em 18 de janeiro de 2013. Apesar de seu passado, ele se juntou à Marinha Mercante.

Publicidade




Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.