Trump ordena ataque que mata o general iraniano Qassem Soleimani e outras autoridades militares em Bagdá, diz o Pentágono

Flavia Marinho
por
-
03-01-2020 11:29:50
em Economia, Negócios e Política

O ataque ordenado por Trump nesta sexta-feira em Bagdá também matou Abu Mahdi al-Muhandis, vice-comandante das milícias apoiadas pelo Irã, conhecidas como Forças de Mobilização Popular.

O presidente Trump ordenou um ataque militar revolucionário nos EUA que matou o general iraniano Qassem Soleimani, chefe da elite Quds Force do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, entre outras autoridades militares no Aeroporto Internacional de Bagdá na sexta-feira, confirmou o Pentágono. Ataque dos Estados Unidos contra general do Irã vai impactar o preço dos combustíveis no Brasil, diz Bolsonaro.

Leia também

Soleimani é o chefe militar que o Secretário de Estado Mike Pompeo havia considerado tão perigoso quanto o líder do Estado islâmico Abu Bakr al-Baghdadi. Em outubro, Baghdadi se matou durante uma incursão dos EUA em um complexo no noroeste da Síria, sete meses depois que o chamado “califado” ISIS desmoronou, quando o grupo terrorista perdeu sua última faixa do território sírio em março.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, twittou após o ataque “O ato de terrorismo internacional dos EUA, que visa e assassina o General Soleimani – o mais eficaz combate ao Daesh (ISIS), Al Nusrah, Al Qaeda e outros – é extremamente perigoso e uma escalada tola. ” Ele ainda acrescentou que os EUA “tem responsabilidade por todas as consequências do seu aventureirismo desleal”.

Em abril de 2019, o Departamento de Estado anunciou que o Irã foi responsável pela morte de 608 soldados dos EUA durante a Guerra do Iraque. Soleimani era o chefe das forças iranianas e apoiadas pelo Irã que realizavam essas operações, matando tropas americanas. De acordo com o Departamento de Estado, 17% de todas as mortes de pessoal americano no Iraque de 2003 a 2011 foram orquestradas por Soleimani.

Em 2015, uma proibição de viagem e as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas impediram Soleimani de deixar o Irã.

O ataque de sexta-feira em Bagdá também matou Abu Mahdi al-Muhandis, vice-comandante das milícias apoiadas pelo Irã, conhecidas como Forças de Mobilização Popular.

No total, pelo menos sete pessoas foram mortas e pelo menos três foguetes foram disparados, disseram autoridades à The Associated Press. Um oficial das Forças de Mobilização Popular disse que seu oficial do protocolo do aeroporto, Mohammed Reda, também morreu.

Horas após o anúncio do ataque, o presidente Trump tweeted uma imagem simples da bandeira americana.

Soleimani foi o líder de longa data da ala de inteligência de elite chamada Quds Force – que em si é um grupo terrorista designado desde 2007 e estima-se que tenha 20.000 homens. Soleimani era considerado um dos homens mais poderosos do Irã, chamado de “comandante das sombras” ou “mestre dos espiões”.

As mortes marcaram um potencial ponto de viragem no Médio Oriente, e espera-se que atraiam severas represálias do Irão e das forças que este apoia no Médio Oriente contra Israel e os interesses americanos.

O ataque noturno ocorreu em meio a tensões com os EUA, depois que uma milícia apoiada pelo Irã atacou a Embaixada dos EUA em Bagdá, que foi alvo, na terça-feira, de multidões em fúria que protestavam contra os recentes ataques aéreos dos EUA.

O cerco de dois dias fora da Embaixada dos EUA em Bagdá chegou ao fim na quarta-feira à tarde depois que dezenas de milicianos pró-Irã e seus partidários se retiraram do complexo.

A crise começou no início da terça-feira, quando, em um ataque orquestrado, centenas de manifestantes invadiram o complexo da embaixada, uma das missões diplomáticas dos EUA mais fortemente fortalecidas do mundo.

O presidente Trump, que na terça-feira à noite prometeu que a situação “não será um Benghazi” – uma referência apontada ao mortal ataque de 2012 ao consulado dos EUA na Líbia, sob a vigilância da administração Obama, ordenou o envio de cerca de 750 soldados americanos para o Oriente Médio.

O ataque à embaixada, um dos piores de que há memória recente, seguiu-se a ataques aéreos mortais dos EUA no domingo, que mataram 25 combatentes do grupo apoiado pelo Irã, o Hezbollah Kataeb. O exército americano disse que os ataques aéreos foram uma retaliação pela morte, na semana passada, de um empreiteiro americano num ataque com foguetes a uma base militar iraquiana, que os EUA atribuíram à milícia.

O Secretário de Defesa Mark Esper reagiu na quinta-feira ao ataque da Embaixada dos EUA no Iraque no início desta semana, dizendo que é hora do Irã começar a “agir como um país normal”.

“Estamos lá no Iraque trabalhando com nossos parceiros iraquianos para garantir a derrota duradoura do ISIS”, disse Esper em “America’s Newsroom”, na quinta-feira.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.