Petrobras é cobrada por petroleiros após mais de 200 casos de covid serem confirmados. Profissionais entram em greve em Minas Gerais

Petroleiros, Minas Gerais, Petrobras Petroleiros/ Fonte: reprodução – Via google

Os petroleiros da refinaria Gabriel Passos, da Petrobras, no estado de Minas Gerais, anunciaram que vão entrar em greve por tempo indeterminado a partir de hoje (22)

Hoje, segunda-feira (22/03), os petroleiros da Refinaria Betim Gabriel Passos (Regap), localizada em Betim, no estado de Minas Gerais, entrarão em greve por prazo indeterminado. Recentemente, o Sindicato dos Trabalhadores do Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindipetro-MG) notificou novo surto de COVID-19 na Regap, refinaria da Petrobras, que só em março, mais de 200 trabalhadores foram infectados pela vírus.

Petroleiros de Minas Gerais querem posicionamento da Petrobras

Em nota, o Sindipetro-MG informou que solicitou ao MPT – Ministério Público do Trabalho, que solicitasse à Petrobras esclarecimentos sobre o andamento da doença na refinaria. Segundo apuração da entidade, na semana de 15 de março, o local registrou mais de 100 casos positivos, sendo 84 do mesmo departamento. Dentre eles, 11 funcionários ainda estão internados devido a complicações.

Atualmente, o Regap está em manutenção, o que tem gerado um grande número de pessoas no local. As obras de manutenção começaram no dia 28 de fevereiro e têm duração prevista de 30 dias. Como resultado, mais de 2.000 trabalhadores foram adicionados e o número quase dobrou. Existem até profissionais de outros estados que estão trabalhando nessa manutenção.

Petroleiros do estado do Rio de Janeiro tem aumento no números de casos de covid-19

A Federação Única dos Petróleo – FUP, informou em um comunicado que contaminação da covid-19 em plataformas de exploração de petróleo aumentou. Segundo apuração do sindicato, em função do aumento de casos de doenças, a plataforma P-38 do campo de petróleo de Marlim Sul, na Bacia dos Campos (RJ), está “parcialmente operacional”.

A Petrobras confirmou que reduziu a produção das plataformas P-40 e P-56 da Bacia de Campos para diminuir a quantidade de óleo recebida pela P-38, armazenando e transferindo óleo produzido por outras unidades. As plataformas P-40 e P-56 não apresentaram a doença entre os tripulantes.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos