Operações offshore em Macaé são afetadas por decreto municipal que suspende atividades na cidade


Operações offshore em Macaé são afetadas por decreto municipal que suspende atividades na cidade

Apesar do decreto a  prefeitura de Macaé diz que as atividades do setor de petróleo e gás estão garantidas, porém em níveis reduzidos e sujeitas às fiscalizações sanitárias.

Conforme noticiado pelo Click Petróleo e Gás no último domingo, onde todas as atividades de petróleo e gás onshore em Macaé foram suspensas e funcionários estão proibidos de fazer expediente a partir desta segunda em decorrência do coronavírus,gera preocupação nas empresas de aopoio marítimo da região.

Leia também

O Decreto municipal  39/2020 suspendeu, por uma semana, atividades em Macaé (RJ). Como medida de prevenção ao novo coronavírus (Covid-19) a prefeitura de Macaé também iniciou na segunda-feira (23), uma ‘barreira sanitária’.

Estarão suspensas atividades decorrentes da indústria de óleo e gás em terra (onshore) até o dia 29 de março. A prefeitura também proíbe o acesso de pessoas portadoras de sintomas de coronavírus no município. Só estarão autorizadas entrar na cidade as pessoas que apresentarem o atestado de saúde da barreira sanitária criada pelo instrumento legal.

De acordo com a prefeitura,  as atividades do setor de petróleo e gás permanecerão, porém em níveis reduzidos e sujeitas às fiscalizações sanitárias.

As empresas do setor acreditava que apesar do Decreto as medidas fossem revogadas para manter a indústria offshore operando normalmente em Macaé.

A expectativa é que o apoio marítimo que prestam serviços na Bacia de Campos voltem as atividades normais e que  o governo do estado reverta essas medidas impostas pelo novo Decreto municipal.

Por conta das restrições de circulação impostas pelo governo estadual  em meio a prevenção da pandemia do novo Coronavírus, as atividades de óleo e gás da região já haviam começado a sofrer os impactos.

Um decreto presidencial garante a produção de combustíveis como serviço essencial e as embarcações de apoio estão inseridas diretamente nessa cadeia.

Segundo a petroleira brasileira Petrobras, a companhia continua disponibilizando transporte com destino a Macaé para os trabalhadores que farão embarque em plataformas na Bacia de Campos e que está em contato com a prefeitura para que sejam garantidas as condições para a operação de suas unidades offshore.

A Petrobras também  enfatiza que está operando com efetivo reduzido, tanto nas plataforma como em atividades administrativas e operacionais em terra. “A Petrobras já vem adotando medidas preventivas, incluindo quarentena hotel por sete dias antes do embarque, de forma que nenhum colaborador embarque se tiver sintomas prévios. A medida vale para todas as plataformas da companhia”,destacou a empresa em nota.

O Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Petróleo (Abespetro) e a Associação Brasileira das Empresas de Apoio Marítimo (Abeam) têm trabalhado junto às autoridades para garantir as operações offshore.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.

Flavia Marinho

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.